Resident Evil Revelations originalmente lançado no 3DS da Nintendo, mais tarde chegaria em outros consoles, trazendo nossa rainha Jill Valentine.

 

 

  • Nome – Resident Evil: Revelations
  • Lançamento – 26/01/2012
  • Plataformas – Microsoft Windows, Nintendo 3DS, Nintendo Switch, PlayStation 3, PlayStation 4, Wii U, Xbox 360, Xbox One
  • Gêneros – Ação, Tiro em Terceira Pessoa
  • Tema – Survivor Horror
  • Modos de Jogo – Um Jogador, Cooperativo Online
  • Desenvolvedora – Capcom
  • Publicadoras – Capcom, Nintendo
  • Franquias – Resident Evil, Resident Evil: Revelations
  • Classificação – 16 anos

 

 

Definido entre Resident Evil 4 e 5, Revelations está mais preocupado com organizações – a Bioterrorism Security Assessment Alliance, a Federal Bioterrorism Commission, e o grupo terrorista Veltro – do que com indivíduos. Jill Valentine e Chris Redfield, estão à disposição, mas não há oportunidades de desenvolvimento de personagens aqui; eles são apenas peões familiares na conspiração mais sinistra, excessivamente complicada da série.

O novo parceiro de Jill, Parker, tem uma semelhança inconfundível com o ator Russell Crowe; olha de lado, ele é um companheiro bem-humorado, alguém que você gostaria de ter ao seu lado em uma crise. A parceira de Chris, Jessica, por outro lado, é tão antipática e absurda a ponto de forçar a credulidade, mesmo em uma história sobre monstros ooze. Quando Chris foi ferido e ela responde: “Eu e minha bunda linda estamos a caminho!” é tão bobo que tira você do momento, e uma roupa de uma perna que ela usa mais tarde no jogo faz com que ela pareça um membro de uma trupe de dança de vanguarda, não uma força-tarefa contraterrorismo.

A maior parte do Revelations acontece no Queen Zenobia, um transatlântico de luxo com muitos corredores apertados que contribuem para um combate claustrofóbico. As elegantes cabines, casinos e passeios do navio contrastam com seus porões, elevadores de carga e outros ambientes metálicos, o que torna gratificante suas explorações iniciais do navio. O layout do Queen Zenobia é convincente, facilitando a idéia de que é um navio de verdade com uma história longa e medonha. Mas antes de você ter avançado muito na campanha, você já viu a maior parte do que o Zenobia tem a oferecer e passa muito do seu tempo percorrendo áreas que já cobriu.

As coisas podem ter mudado um pouco – você pode ser capaz de acessar salas que você não podia antes, ou você pode encontrar novos tipos de inimigos – mas a sensação de descoberta que ajuda a tornar as primeiras seções intrigantes desaparece cedo demais. Ainda assim, a maneira como a história é dividida em seções curtas e episódicas, indo e voltando com freqüência entre personagens e locais, mantém o ritmo acelerado; você nunca se cansa de uma situação antes de ser levado para outra.

Claro, você não está no Queen Zenobia para um cruzeiro de prazer; coisas terríveis aconteceram a bordo daquele navio, e como resultado, você é constantemente atacado por armas bio-orgânicas, algumas das quais se parecem com pessoas cobertas da cabeça aos pés em lama cinzenta. Os confrontos às vezes são mais exagerados do que assustadores, e o fato de você poder realizar ataques corpo-a-corpo, com acréscimos bobos, em inimigos atordoados, só aumenta a tolice.

Se você já jogou Resident Evil 4 ou 5, os controles e o combate aqui parecerão familiares. A proximidade da câmera com o seu personagem limita a sua visão periférica, estimulando a sensação de que você nunca sabe o que está na próxima esquina. O problema é que Revelations nunca faz muita coisa com isso; você nunca se surpreenderá ao descobrir um inimigo que você não sabia que existia ou a um motivo para temer o que poderia estar à espreita nas sombras à frente. Há um arrepio indiferente na atmosfera do Apocalipse, mas nunca algo que possa gerar medo ou pavor real.

Em vez disso, o combate é tipicamente direto e não assustador. Suas armas parecem poderosas, e só se tornam mais poderosas à medida que você as amplia com outras partes que você encontra  ( upgrade ), mas elas nunca se sentem dominadas; a resiliência de seus inimigos faz com que você seja grato por cada grama de poder de fogo que você pode extrair dessas armas. Você raramente se sente realmente ameaçado ou desesperado, mas os inimigos ainda podem encurralá-lo em espaços apertados, gerando alguma tensão quando você os encher de balas e esperar que eles caiam antes que eles cheguem perto o suficiente para agarrá-lo. (Você não quer que isso aconteça, tanto porque você se machuca quanto porque você é solicitado a fazer algumas manobras desagradáveis ​​para se libertar).

Alguns ambientes dão a você um pouco mais de liberdade para se movimentar, com oportunidades de pular para níveis mais baixos para fugir temporariamente de invasores. Essas áreas podem se encher de monstros que se aproximam de você antes de explodir um tanque explosivo no último segundo, incinerando seus inimigos e fazendo assim sua fuga. Você provavelmente já experimentou momentos como este nos jogos muitas vezes antes, mas eles ainda são satisfatórios.

 

Infelizmente, embora os melhores jogos da série apresentem confrontos com chefes memoráveis ​​e aterrorizantes, as batalhas contra chefes aqui, como tudo sobre o Revelations, são padrão. Os chefes podem mostrar e suportar muitos danos, mas seus designs e seus padrões de ataque são todos iguais para de uma forma geral. Fora da campanha, há o modo Raid, uma oportunidade de lutar contra inimigos sozinho ou com outro jogador, e embora o processo de subir de nível e ganhar pontos com os quais você pode comprar mais e melhores equipamentos seja previsivelmente convincente, o combate ainda carece de novidades ou melhor exploradas como em versões anteriores de Resident Evil. Revelations é uma aventura decente, mas não chega perto de alcançar aos melhores momentos que a série tem no passado.