REVIEW | Jogo: The Last of Us Part II

The Last of Us Part II é uma obra prima, e nas próximas linhas eu vou lhe explicar o porquê.

Ficha Técnica:

  • Desenvolvido por: Naughty Dog.
  • Publicado por: Sony Interactive Entertainment LLC.
  • Série: Sony The Last of Us Series.
  • Lançamento: 19 de junho de 2020.
  • Gênero: Aventura, Ação.
  • Classificação indicativa: 18 anos.
  • Modos: 1 Jogador.
  • Disponível para: PlayStation 4.

The Last of Us é sobre pessoas!

O jogo se passa alguns anos após o primeiro título, nos trazendo uma Ellie em plena juventude e um Joel mais velho e abatido. Com expressões faciais de tirar o fôlego, basta os nossos queridos personagens já conhecidos entrarem em cena, para ficarmos com os olhos marejados em poucos minutos. É uma nostalgia poder vê-los novamente e imaginar o que toda a campanha reserva para nós. O que a Naughty Dog preparou para nos ensinar dessa vez?

Bom, antes de mais nada é importante ressaltar que o primeiro título não contava apenas a história de Joel e Ellie. O jogo antecessor explorou muito o tema: Até que ponto você iria para salvar a humanidade? Para no fim nos surpreender com um desfecho de… Quantos você condenaria para salvar uma única pessoa?

The Last of Us Remastered
Captura de Tela de The Last of Us Remastered

Por dias o final do primeiro jogo ficou em pauta nas discussões de jogadores de todos os cantos do planeta. Joel estaria certo ou errado? Eu faria diferente se tivesse a opção de escolher? Quanto vale uma vida? E diversas reflexões como tudo ocorreu e como cada detalhe percebido ou não afetava nossa opinião circulavam por aí.

Entretanto, não foi apenas a história que nos cativou. Toda a imersão era acompanhada com um nível estonteante de qualidade, seja na trilha sonora, gráficos, ambientação, jogabilidade, variedade de inimigos, dublagem (um dos primeiros belos trabalhos em PT-BR), expressões faciais, enfim… O pacote inteiro inquestionavelmente cravou uma estaca gigante no que seria considerado por muitos o melhor jogo da geração Playstation 3.

The Last of Us: Game of the Year Edition Announced For PS3 - The ...
Arte de Divulgação de The Last of Us

Final de Geração

The Last of Us Part II chega novamente no final de uma geração, nos revelando a verdadeira capacidade do console da Sony e matando de vez a teoria de que ele explodiria com tamanho poder gráfico. Dito isso, fica claro que os gráficos estão incríveis e o jogador vai se deleitar em todos os aspectos, seja nos detalhes dos personagens, cenário ou ambientação.

Os personagens são todos muito bem trabalhados, até mesmo os figurantes que não possuem importância alguma pra história foram bem desenvolvidos e possuem cada um sua própria fisionomia (ou pelo menos são tantos que você mal vai perceber se algum se repetir). Já os que entram em cena, aumentam ainda mais o nível de refinamento e possuem cada qual um estilo próprio de movimentação e personalidade.

PS4 Pro The Last of Us Part II Limited Edition - PlayStation
Captura de Tela de The Last of Us Part II

Os cenários foram detalhados daquela forma única onde você não percebe a artificialidade das coisas, é tudo retratado como se tivesse sido realmente utilizado por pessoas. E isso fica ainda mais perceptível quando você encontra cartas e bilhetes deixados para trás, contando não só a história de alguém, mas muitas vezes dando dicas para conseguir senhas de cofres, portões, etc.

Já a ambientação foi baseada em fotos de locais reais, mas é claro, totalmente modificada para se adequar a aparência apocalíptica do enredo. Apesar de ser uma visão totalmente destruída, e o caos estar presente a cada passo, existe uma beleza escondida que fará muitos perderem um bom tempo apreciando a paisagem.

The Last of Us Part II
Arte Conceitual de The Last of Us Part II

Interação com o ambiente

É tanta coisa para ser absorvida, que muitas vezes você deixa de perceber alguns detalhes. Um deles é a possibilidade de quebrar vidros. Certamente o jogador vai experimentar e perceber que dessa forma vai poder adentrar em alguns locais fechados, mas muitos demoram a descobrir que existem itens dentro de bancadas de lojas por exemplo que também podem ser acessados com um pouco de vandalismo.

No entanto também existem interações mais inovadoras, como poder usufruir de um pedaço de corda, mangueira ou cabo de energia. O protagonista não só é capaz de escalar, deslizar e se balançar na corda, mas também consegue em diversos momentos criar uma utilidade para aquele objeto. Digamos que você precise subir para a parte mais elevada de um prédio, é possível então quebrar a claraboia com um tijolo, e lançar a corda por cima para que ali surja um caminho acessível.

Captura de Tela de The Last of Us Part II

A exploração também é um ponto chave aqui. Existem escadas, dutos de ventilação e pequenas frestas que vão necessitar olhar de cima a baixo todo o cenário para encontrá-las. Porém não basta apenas a atenção no ambiente, mas nas pistas deixadas pelas pessoas que passaram por ali. Sempre é importante estar observando anotações deixadas no local, para poder muitas vezes conseguir avançar na história, conseguir novas armas ou ainda simplesmente adquirir mais espólios.

Finalmente Ellie aprendeu a nadar, então poderemos agora mergulhar tranquilamente com ela também e ficaremos encharcados com isso. O mesmo acontece se você derrapar na lama ou matar um inimigo de perto, ficamos cobertos de sujeira. A história ainda exigirá galopar cavalos como no jogo anterior, mas a grande novidade que está estampada no menu inicial do jogo é pilotar pequenos barcos.

Imagem relacionada
Captura de Tela de The Last of Us Part II

Movimentação Constante

Algo nítido em todos os momentos do jogo, é que nada está parado. Fauna e flora estão presentes por toda parte! Podemos ver alguns animais silvestres passeando ou fugindo de você. Além do vento balançando tudo, de pequenas folhagens no chão a árvores distribuídas pelo local. Não poderíamos também deixar de mencionar a água, representada de diversas formas, você vai poder se esbaldar na qualidade gráfica dela toda vez que a encontrar.

Contudo a movimentação mais atraente pertencem aos protagonistas! A coisa ficou insana, agora além de poder andar em pé e agachado, você pode se deitar no chão. E a habilidade não serve apenas para avançar para novos locais que requerem rastejar. Serve também para se esconder de inimigos (dependendo da altura da folhagem pode ser necessário) e até mesmo contribuir para o combate. É possível atirar do chão após ser derrubado ou aproveitar da posição intencionalmente para eliminar os adversários na surdina.

Captura de Tela de The Last of Us Part II
Captura de Tela de The Last of Us Part II

Falando nos inimigos…

Tem muitos adversários novos e algo particularmente interessante, é que o diálogo entre eles é bem variado e faz parte daquele momento da história. Os inimigos vão dar pistas do que estão fazendo e até mesmo falar sobre você. Algo notório é a relação entre eles, quando você mata alguém e um corpo é encontrado, você sente em alguns momentos a dor da pessoa que o encontrou, por ser um amigo dela ou algo do gênero.

A abordagem continua a mesma, você pode partir pro ataque ou fazer tudo na furtividade. Na furtividade algo aterrador é a possibilidade de ver alguém morrendo em suas mãos. O olhar, a expressão facial daquele indivíduo se desfazendo em seus braços… Nos obrigam a pensar a todo momento que eles são pessoas também, e a questionar nossas ações.

Captura de Tela de The Last of Us Part II

Cachorros foram adicionados pra tocar o terror em quem gosta de passar despercebido. Eles sentem seu cheiro e te perseguem, podendo te devorar ou entregar sua posição. Logo somos forçados a derrubá-los rapidamente ou despistá-los (coisa complicada, num terreno estranho, com inimigos te caçando). 

Arsenal Invejável

Com tantos inimigos, surge também uma diversa quantidade de armas. Vamos começar falando daquelas que são encontradas no ambiente, como toras de madeira, canos de aço, pés de cabra, picaretas, machados, facões… Ah são tantos! E cada qual tem uma certa durabilidade e afetam na movimentação do personagem ao atacar. São muito úteis em combates a curta distância, principalmente com inimigos correndo em sua direção.

Captura de Tela de The Last of Us Part II

Se você gosta de partir para a ação, vai gostar de saber que existem várias armas de fogo, e todas elas possuem upgrades que podem ser feitos em bancadas. Mais que melhorar a arma, é se impressionar ao ver a mesma sendo desmontada e equipada com um nova peça na sua frente. Para melhorá-las ainda ficamos a cargo de juntar sucatas.

Ninguém esqueceu das armas furtivas não! Temos a volta do arco e flecha e pasmem, é possível criar silenciadores para a pistola com materiais encontrados no cenário.

É material pra caramba!

Nada como quebrar máquinas de doces para pegar chocolate vencido (Nhannn!). Brincadeiras a parte, a exploração por utensílios para a fabricação de itens continua bem interessante. Dentro de gavetas, prateleiras ou simplesmente jogados no chão, encontramos diversos materiais que vão poder ser utilizados para fabricar tanto itens já conhecidos como novos. Bombas de atordoamento pra você chegar na porrada que o digam!

Outra novidade são revistas e manuais encontrados na campanha que vão possibilitar novos upgrades para os personagens. Encontrando remédios em banheiros e afins, você conseguirá melhorar uma série de habilidades para incrementar aquilo que considerar a melhor estratégia. Inclusive, algumas habilidades estão interligadas com sua capacidade de fabricação.

You can slightly increase the chances of finding rare crafting materials and components - The Last of Us 2: Crafting materials - how to find them? - Campaign and exploration - The Last of Us 2 Guide
Captura de Tela de The Last of Us Part II

Os mapas são tão grandes e com tanta possibilidade de exploração que por muitas vezes você pode acabar achando que está dentro de um mundo aberto. Mas não é pra tanto, o jogo é imenso, mas continua linear. 

Vamos falar da trilha sonora!

Com uma dublagem excepcional em PT-BR, já somos cativados pelas falas que dão vida a cada personagem. Mas até o som ambiente sabe ser exemplar. Com barulho de animais, pessoas conversando, tempestades, chuvas e até da correnteza da água, tudo fica mais real. E claro, os sons dos infectados em meio a uma passagem escura, vão te fazer arrepiar!

Captura de Tela de The Last of Us Part II
Captura de Tela de The Last of Us Part II

Certamente quem jogou deve concordar que o maior destaque fica a cargo das músicas escolhidas para marcar profundamente uma cena ou outra. Não tem nada mais tocante que ver a Ellie ou o Joel tocando violão e cantando em pontos chaves da história. Algo inusitado, é que o jogo não permite apenas tocar nessas passagens, mas dedilhar o violão por conta própria e elaborar sua própria melodia. Pela internet é possível achar pessoas que conseguiram fazer um personagem tocar uma melodia enquanto cantavam músicas inexistentes dentro do jogo.

Mas e a história?

Esse é o grande divisor de opiniões em meio aos jogadores. Muita gente ficou furiosa com o novo desenrolar da trama, e outros afirmam com todas as letras que foi a melhor experiência que já experimentaram. Tudo vai depender muito de gosto, mas principalmente de empatia. A história exige que você tente enxergar por diversos pontos de vista, o que pode ser muito difícil para alguns.

O novo enredo, não coloca apenas os protagonistas a prova. Ele invade nossa mente e nos faz sentir que é real. É como se a produtora golpeasse a boca do seu estômago, derrubasse você no chão e esfregasse seu rosto numa superfície áspera de concreto. Você vai sentir a dor em suas entranhas, e isso irá despertar uma raiva imensa! Algumas pessoas até esqueceram que se trata de uma ficção e foram tomar satisfação com modelos faciais da vida real. Então, não depende apenas do personagem, mas de você mesmo achar essa experiência atrativa ou não. É muito pessoal de cada um, já que o tema “justiça” é bastante polêmico por si só.

Captura de Tela de The Last of Us Part II
Captura de Tela de The Last of Us Part II

A campanha dura aproximadamente 30 horas, um pouco mais ou menos de acordo com a dificuldade escolhida e a sua maneira de jogar. Podemos dizer que existem duas partes. Uma delas vai alimentar toda a sua raiva! E a outra vai te fazer se questionar a ponto de nos fazer sentir culpados e perceber o quanto o ódio nos deixou cegos (ou não!). Mas ambas as partes possuem romances e diálogos que trarão algumas risadas espontâneas.

Muitos personagens novos nos serão apresentados, é possível que você aprenda a gostar de todos eles ou odiá-los. Tudo é claro, depende do que você é capaz ou não de sentir ao conciliar suas opiniões pessoais com o a história de The Last of Us Part II.

The Last of Us Part II vale a pena?

Mesmo que você odeie a história (eu particularmente adorei toda a experiência e como algumas pessoas me alfinetaram, poderia até criar um culto, haha!). É impossível negar a qualidade presente em todos os outros aspectos. Nem que seja pra dizer que você não gostou, esse jogo é uma obrigação. Ele vai te marcar, positivamente ou negativamente pro resto da sua vida. E se as opiniões negativas estiverem te afetando, saiba que o game já vendeu mais de 4 milhões de cópias, então em algo a Naughty Dog deve ter acertado.

The Last of Us Part II é um trabalho de pessoas que sabiam muito bem o que estavam fazendo, o que possibilitou criar um jogo único, totalmente imersivo e com um enredo de ponta. É possível que você fique indignado com os trailers falsos, com a história, e por odiar os personagens acabe achando a campanha arrastada. Mas se der uma chance, com toda certeza passará 30 horas completamente fissurado nesse que pode ser o novo “jogo do ano”. Mas pera lá que Ghost Of Tsushima está chegando, e só estaremos ganhando se ele chegar a altura dessa aventura.

 

Ígara Ferreira
Gamer desde sempre e Caçadora de Troféus faz uns bons anos, conhecida como laddyvalentine no Playstation e “a Monstra” no Youtube.