Lollipop Chainsaw é alegre e obsceno, pode os dizer que é o tipo de jogo ame ou odeie, então vamos ao review e quem sabe, você resolva jogar ou não.

 

  • Ficha Técnica

    Data de lançamento – 12/06/2012
    Classificação – Para maiores de 17 anos
    Desenvolvedora – Grasshopper Manufacture
    Distribuidora – Warner Bros.
    Número de jogadores – 1-1

 

 

Toda a premissa de  Lollipop Chainsaw  é absolutamente absurda: uma líder de torcida sexy, que usa uma motosserra, luta contra os mortos-vivos – tudo sem estragar o cabelo. Aqueles que não conhecem os esforços anteriores do desenvolvedor Grasshopper Manufacture podem ver o jogo como sendo exagerado e ridículo. Mas para todos os outros, esta é apenas mais uma viagem louca do diretor criativo SUDA51

Lollipop Chainsaw pode ser melhor descrito como um ataque aos sentidos. Embora o último jogo da Grasshopper Manufacture não seja o mais bonito de sempre, é repleto de efeitos visuais que bombardeiam os olhos dos jogadores, enquanto uma trilha sonora impressionante (composta por Akira Yamaoka e Jimmy Urine, vocalista do Mindless Self Indulgence) explode ao lado das aventuras da protagonista Juliet. Há um pouco para absorver e certamente contribui para uma aventura cativante.
Como mencionado, nossa protagonista é Juliet Starling – uma líder de torcida do colégio San Romero. Juliet acabou de completar dezoito anos, embora isso seja apenas para que os jogadores não se sintam desconfortáveis ​​com todos os ângulos das câmeras. O personagem vem de uma longa linhagem de caçadores de zumbis, e todos da sua família – exceto sua mãe – têm alguma experiência em mutilar os mortos-vivos. Quando um surto de zumbis é desencadeado em sua escola, cabe a Juliet, sua família e seu namorado Nick – que agora é um chefe decapitado (devido a circunstâncias infelizes) – para afastar as hordas de mortos-vivos.

Se ainda não está claro, a história não é o foco principal da Lollipop Chainsaw . O jogo é intencionalmente exagerado, mas compensa muito o charme que irradia do título. Os jogadores não vão dar uma boa olhada na condição humana, mas a história de Juliet é satisfatória do começo ao fim. Narrativa de lado, Lollipop Chainsaw é tudo sobre a jogabilidade, e na maior parte, consegue muito bem.

Juliet tem dois tipos de armas à sua disposição: seus pompons e sua motosserra. Os pompons são mais usados ​​para atordoar zumbis, enquanto a motosserra é eficaz em encontros imediatos. O combate funciona – embora inicialmente seja retido por algum mapeamento de botões desajeitado. A motosserra de Juliet tem dois ataques, alto e baixo, que são mapeados para dois botões de face diferentes. Isso não seria um grande problema se o botão X (que é o A para os proprietários do 360) não fosse usado para ataques baixos. O problema poderia ter sido aliviado se o botão de esquiva (círculo / B) fosse trocado pelo botão de ataque baixo – ou, mais importante, se o jogo pelo menos oferecesse esquemas alternativos de controle.

 

Mas isso é realmente um problema menor, já que os jogadores acabarão se acostumando com esses controles. Uma questão maior, em termos de combate, é coletar novos combos. No prólogo, Juliet não tem um único combo à sua disposição e só pode usar ataques muito simples. É claro que, assim como outros títulos de hack e slash, novos combos podem ser comprados. No entanto, ao contrário da maioria dos jogos de hack e slash, os combos da Juliet só podem ser comprados nos terminais “Chop2Shop”, o que significa que os jogadores não podem atualizar seus poderes quando e onde quiserem. Além disso, novas combinações custam uma quantia justa de medalhas (mais sobre elas depois) para comprar. Os jogadores devem acumular um repitoire considerável até o final do segundo nível, abrindo as portas para uma grande jogabilidade – mas os jogadores sem dúvida ficarão ansiosos esperando por opções de combate mais satisfatórias.

A fim de testar seus combos recém-comprados, Lollipop Chainsaw lança muitos tipos de zumbis no jogador. A maioria dos jogos é confortável com a reciclagem dos mesmos tipos de inimigos ao longo do jogo, mas o Lollipop Chainsaw introduz novos zumbis em cada nível, misturando-os com o rank e o arquivo dos estágios anteriores. Cada um desses zumbis diferem em estética e técnicas de combate, dando muito para misturar a ação.

Como sugerido, cada vez que o jogador mata um zumbi, ele ganhará medalhas – que podem ser gastas em novos upgrades ou itens nos terminais Chop2Shop. Matar três ou mais inimigos ao mesmo tempo ativará Sparkle Hunting, concedendo aos jogadores um bônus de medalha. A quantidade de zumbis mortos em Sparkle Hunting também aumentará a pontuação do jogador – então, aqueles que pretendem obter todos os troféus vão querer Sparkle Hunt com frequência. Os jogadores ainda podem matar zumbis em seu método preferido, mas aqueles que se importam com a pontuação vão querer rebanho zumbis para um bom ol ‘Sparkle Slaughter.

 

E, claro, toda horda de zumbis precisa de um líder zumbi. Cada estágio do Lollipop Chainsaw termina com uma luta de chefe, e estes são possivelmente o destaque do jogo. Os jogadores vão lutar contra os Dark Purveyors, que tomam uma forma relacionada a diferentes estilos musicais. Prólogo de lado, cada uma das lutas contra chefes é bem pensada e difere muito da última. Muito parecido com asseclas zumbis comuns, não há reciclagem acontecendo aqui, mantendo novos encontros frescos e agradáveis ​​- sem fazer encontros prolongados e entediantes.

É lamentável, então, que o humor do jogo não seja tão bom. O SUDA51 sempre gostou de um senso de humor excêntrico, mas também não é transmitido na Lollipop Chainsaw . Há muita vulgaridade, mas pouco disso é baseado em propósito real ou entrega inteligente. Os fãs do SUDA51 lembrarão facilmente o nível Big Boner de Shadows of the Damned   – que teve sucesso em sua execução inteligente. No entanto, quando os zumbis voam para o jogador dizendo “eu tenho que fazer cocô”, é muito menos engraçado e parece que o Grasshopper está tentando demais.

Como resultado, alguns dos momentos mais engraçados são os compartilhados entre Juliet e Nick. O diálogo é inteligente e, às vezes, hilário – a certa altura, eu estava rindo muito e tive que parar o jogo. Isso porque havia menos foco em apenas gritar palavras como “vagina” e “porra” e mais em algum diálogo bem pensado. SUDA51 mostrou no passado que a vulgaridade é gargalhada hilária, simplesmente não funciona tão bem nesta rodada.

Mesmo quando tudo está dito e feito, ainda há muita diversão na Lollipop Chainsaw . O jogo tem alguns extras para complementar, há trajes extras para desbloquear, um modo de classificação, novas dificuldades e dois finais. Além disso, o combate (uma vez que os combos são desbloqueados) oferece muita diversão que fará os jogadores voltarem para a experiência sozinhos. É um título sólido, mas que nunca alcança todo o seu potencial devido a algumas escolhas de design estranhas. Uma coisa é certa, porém, os jogadores não vão se arrepender da experiência – supondo que eles não joguem em torno de membros prudentes da família.

As dublagens também são ótimas em sua maioria, e conferem muita personalidade aos personagens. Juliet pode até soar meio chata depois de um tempo (ela é dublada por Tara Strong, que emprestou sua voz para a sexy porém irritante Harley Quinn nos últimos games do Batman), mas o elenco de apoio, especialmente seu namorado (ou melhor, a cabeça de seu namorado), Nick, se destaca, pois solta comentários carregados de sarcasmo que vão te fazer rolar de rir.

Para os fãs de zumbis e terror, temos muitas referências e “easter-eggs“: o nome da escola, San Romero, já é uma óbvia homenagem ao “especilaista” em zumbis George Romero, que dirigiu os mais importantes filmes de zumbi do cinema.

Em resumo, Lollipop Chainsaw é aquele tipo de jogo “ame ou odeie”: muita gente sem dúvida irá achá-lo ótimo, mas isso é  mais pelo seu estilo do que pelo jogo em si. Se no quesito jogabilidade ele decepciona, não se pode negar que em termos de visual, trilha sonora e rebeldia, ele dá um show sangrento e purpurinado como poucos.