Com Gameplay curto e mecânicas variadas, Gato Roboto se torna uma excelente porta de entrada para o mundo dos Metroidvanias.

Você não sabe o que é um Metroidvania? Então irei revisitar brevemente o gênero. Em 1986, quando todos os jogos de plataforma eram lineares, indo da esquerda para direita (a exemplo Mario e Donkey Kong) um jogo decidiu mudar uma premissa simples: iniciarmos indo para o caminho oposto. Você não podia entrar em uma área e deveria conquistar algum power up para conseguir acessá-la. Ao invés de ir para a direita até o final de uma fase, você deveria ir e voltar diversas vezes, pois algum caminho novo poderia ser acessado. Lançado para o NES, Metroid marcou a indústria e criou um rumo para o que viria a seguir: os jogos de plataforma não linear.

Após um pouco mais de 10 anos, de forma controversa, um novo jogo veio para consagrar de vez o gênero. Em 1997, lançado para PlayStation (onde jogos 3D reinavam de maneira quase absoluta) Castlevania: Symphony of the Night deciciu ignrorar as plataformas lineares de seu passado, e não se submeter aos jogos 3D da época, para criar com base em Metroid, um jogo que está marcado para muitos, como o melhor jogo não linear existente.

Devido a importância de ambos na indústria, todos os jogos desse gênero passaram a se chamar Metroidvania (Metroid + Castlevania)

Ficha técnica

Desenvolvido por: Doinksoft

Publicado por: Devolver Digital

Plataformas: Nintendo Switch / PC

Modo de jogo: Single player

Genero: Metroidvania

Lançado em: 30/05/2019

Sobre a história:

Gato Roboto se inicia com Garv, um tenente espacial que recebe um sinal de socorro em um planeta que já foi usado para pesquisas por humanos. Após conversar com seus superiores e decidir checar o que ocorre, algo familiar a todo pai/mãe de felinos acontece: sua gata Kiki pula no teclado. Por conta disso, a nave cai causando um acidente e deixando Garv preso aos destroços. Sua única opção para sair de lá, é guiar a Kiki nessa aventura. Por diversas vezes no decorrer do gameplay vemos Garv se indagando sobre o que ocorreu, se questionando o porque de estar guiando uma gata e morrendo de amores pela fofura da Kiki, tal qual o jogador irá fazer em diversos momentos.

Jogabilidade

As inspirações de Gato Roboto no gameplay de Metroid são claras. Ambos os jogos se iniciam em um planeta desconhecido e obrigatoriamente você deve ir para a esquerda em um primeiro momento. O visual do jogo, todo em pixel art majoritariamente branca, é simples, porém eficaz, dando um charme ao visual do jogo. Sua história é leve, sem muita profundida, apenas colocada aqui para dar uma desculpa para o gameplay. Isso não se torna um defeito, visto que a experiência do jogo é muito mais os seus controles, do que apresentar uma trama cheia de reviravoltas.

Seu primeiro objetivo é ir atrás de uma armadura robótica para a Kiki. Nesse primeiro momento você já se dá conta de como será o gameplay apenas “Gato”: de forma mais rápida, porém extremamente frágil, onde qualquer dano já causa a morte da bichana. Após conseguir a armadura, aprendemos como funciona os checkpoints e somos introduzidos ao gameplay “Roboto”, mais pesado, porém podendo causar e receber dano dos inimigos. Ao decorrer do gameplay você irá usar diversas vezes essa mecânica: hora robô, para atacar seus oponentes, ora gata, para se esquivar deles.

Diferente de muitos metroidvanias, aonde o objetivo é a exploração do mapa, Gato Roboto dá prioridade a agilidade e combate. Os power ups necessários para alcançar os diversos pontos do mapa é feito em sua armadura e é através dela que novas mecânicas no jogo são introduzidas. Para cada área no mapa, você será obrigado a dominar essa nova mecânica, seja para se locomover pelo mapa ou para derrotar o chefão que será apresentado ali. Infelizmente por conta do gameplay curto, algumas mecânicas apresentadas se tornam pontuais aquela área, dificilmente sendo usada novamente em novas áreas pelo jogo.

Conclusão

O gameplay do jogo é breve, em torno de 4 a 5 horas você já irá finalizá-lo. O tempo de gameplay é excelente, por não causar uma “barriga” no meio dele apenas para estendê-lo. Você sente que ele irá acabar quando tem que acabar, trazendo assim uma experiência satisfatória de início, meio e fim.

Disponível para Nintendo Switch e PC, Gato Roboto é uma excelente opção de Metroidvania para conhecer esse gênero. Certeza que ao finalizá-lo, você sentirá um gostinho de quero mais.

~Luiz Eduardo


Inscreva-se no canal do Teoria Geek no Youtube e nos acompanhe também nas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.