É incrível o quanto de tempo gastamos em um Assassin’s Creed nos dias atuais, dá a impressão que a Ubisoft tem por objetivo nos manter entretidos em seus jogos e não abrir margem para a concorrência – pelo menos essa é a sensação de uma pessoa adulta após meses de muitas aventuras na Inglaterra, Noruega e claro, não vamos esquecer da Vinlândia.

Entenda, não é uma reclamação, e sim um elogio! Pois o custo benefício se torna gigantesco. O jogo base, Assassin’s Creed Valhallaconfira nossa análise aqui – leva em média 150 horas para ser completado minuciosamente e adivinhe só? A expansão A Ira dos Druidas não fica atrás e pode durar em torno de 15 horas se aproveitada ao máximo. Prepare-se então para passar alguns dias interessantes na Irlanda.

A Ira dos Druidas
Ficha Técnica
Desenvolvido por: Ubisoft Montreal
Publicado por: Ubisoft
Gênero: Ação
Série: Assassin’s Creed
Lançamento: 13 de maio de 2021
Classificação indicativa: 18 anos
Modos: 1 jogador
Disponível para: PS5, Xbox Series, PS4, Xbox One, PC, Stadia

 

Nossa querida Marca de Lobo irá receber uma carta de um rei irlandês, pedindo pela sua presença em Dublin. Após o contexto da história se desenvolver, partimos para uma Irlanda do século IX e devemos ajudar o grande rei recém coroado – Flann Sinna – a assumir o controle do país, criando confiança ou respeito perante outros reis menores.

Você pode achar que a política aqui é semelhante a da Inglaterra, mas não. Na Ilha Esmeralda o objetivo não envolve dominar o local, pois o rei Flann é o verdadeiro herdeiro daquelas terras – e a invasão já ocorreu –, então não se trata tanto de invadir e conquistar, e sim unificar mesmo que seja a força.

Conheça Ciara e Flann, dois dos principais personagens nessa aventura. (Foto/Reprodução: Ígara Ferreira)

Conheça a Ira dos Druidas

No entanto, não é só a política da época que iremos vivenciar, e sim uma questão religiosa que torna tudo muito mais atraente. Afinal, você não acha que a Ubi iria colocar o nome da expansão de “Ira dos Druidas” sem focar nos druidas, certo? Pois então, no século IX o cristianismo estava bem presente, e os pagãos também. Desses pagãos, existiam os druidas e desses os extremistas intitulados de “Filhos de Danu”.

Os Filhos de Danu dão um ar totalmente sombrio a Irlanda, pois eles são os druidas das trevas. Logo fazem sacrifícios humanos e as mais diversas atrocidades para tentar impor sua religião sobre as outras. Caberá a Eivor então, retomar o equilíbrio daquelas terras.

O que a Irlanda tem a oferecer

Por falar em terras, existe muita beleza naquela ilha. Contudo é notável a diferença do clima na região, onde o Sol nunca parece mostrar seu verdadeiro esplendorMeu escudo habitual que possui um tom de azul e dourado vibrante, fica acinzentado e sem vida frequentemente para ter ideia. Algumas áreas possuem uma neblina densa, enquanto outras simplesmente parecem nubladas o tempo inteiro. Portanto um ar sombrio acaba dominando o ambiente, e sabe-se lá, talvez seja a influência da saudade de casa “Inglaterra”.

Porém alguns entardeceres se tornam inesquecíveis, ainda mais quando envolvem Ciarapronuncia-se Kiara. Quem é Ciara? Você pode me perguntar. Meus caros, ela é simplesmente o MELHOR dessa expansão, uma ruiva carismática, fogosa e com uma voz angelical. A poetisa do rei marca presença nessa aventura, e eleva a trilha sonora a níveis altíssimos.

A Ira dos Druidas
Paisagens deslumbrantes é o que não faltam. (Foto/Reprodução: Ígara Ferreira)

Existe algo de mágico na cultura Celta

A trilha sonora da expansão é tão bem produzida quanto no jogo base. Entretanto a presença de uma personagem que canta na história, torna tudo mais cativante. As melodias escolhidas para a Irlanda são honestamente lindas e possuem um toque de mistério e magia. Sejam as cantadas ou simplesmente aquelas músicas instrumentais que caracterizam bem a época.

Já a qualidade gráfica é a mesma, com novos ambientes, personagens e vestimentas. Inclusive Eivor pode encontrar alguns conjuntos de vestuário em baús espalhados pela região e ficar mais familiarizada com a “moda” local. Você sabe quanto um jogo é bem feito quando tira uma foto e ela não faz jus ao in-game.

Novidades em Valhalla

Quanto a jogabilidade em si, além da campanha principal podemos contar com inúmeras missões secundárias. Como já citamos os Filhos de Danu, você deve imaginar quem no lugar da “Ordem” possuirá uma árvore de indivíduos para assassinar. Dessa forma a investigação por documentos que identifiquem essas pessoas é mantida aqui, assim como o “espólio” deixado pelos mesmos.

De resto, temos inúmeros coletáveis, incursões e algumas missões régias. Os pombais voltaram, e por eles conseguimos missões que ajudam a estabelecer alianças com os reis locais. Diversas dessas missões fornecem materiais e apesar de não possuirmos um assentamento, devemos melhorar a reputação de Dublin em relação ao comércio. Então esses materiais são utilizados para criar e aprimorar postos comerciais.

A Ira dos Druidas
Localização está toda em PT-BR. (Foto/Reprodução: Ígara Ferreira)

Jogando e Aprendendo

Todo Assassin’s Creed é um mergulho cultural a parte, e em Ira dos Druidas não podia ser diferente. Um dos itens que encontramos na campanha por exemplo, é o Livro de Kells, uma das principais peças do cristianismo irlandês até os dias atuais. Um livro com mais de 1200 anos e que existe até hoje na biblioteca da Trinity College, em Dublin.

Mas não são apenas peças históricas que chamam nossa atenção, outro ponto que se destaca mais uma vez aqui, é a expansão Viking. É impressionante ver a força de ocupação de daneses e noruegueses naquela época – realmente só dá pra acreditar, pois existem documentos históricos comprovando. Ter uma ideia do impacto que causaram nesses outros países, sendo esse impacto, é estonteante. Além de abrir as portas para um maior entendimento do porquê e como, tudo aquilo aconteceu.

A Ira dos Druidas: Vale a pena?

Existe um certo fascínio, quando você imagina que aquilo que você está jogando, até determinada parte ocorreu de verdade. Faz parte da nossa história, e ajudou a definir a humanidade que nos tornamos hoje. Então, A Ira dos Druidas não só vale a pena por garantir boas horas de entretenimento, mas por – como diversos jogos da franquia -, nos ajudar a registrar nosso passado e enriquecer nosso presente.

Para você então que já finalizou o jogo base e sente falta do lombo do cavalo enquanto galopa por belas demonstrações da fauna e flora da Inglaterra, com toda certeza irá adorar conhecer a Irlanda e ingressar em mais algumas aventuras emocionantes.


*Cópia de imprensa disponibilizada gratuitamente para PlayStation 5 pela Ubisoft Brasil para a elaboração desta análise*