REVIEW | Jogo: Alex Kidd in Miracle World DX

Alex Kidd in Miracle World DX

Alex Kidd in Miracle World DX é um ótimo Remake que traz consigo muita nostalgia e diversão acompanhados de várias melhorias de tirar o fôlego. Em resumo, mesmo se você não tiver jogado esse clássico no século passado, ainda assim vai sentir prazer jogando e entender como algumas crianças de 20 à 40 e poucos anos – como eu e talvez você – acabaram se apaixonando por esse mundo atrás das telinhas.

Alex Kidd in Miracle World DX - Teoria Geek
Ficha Técnica
Desenvolvido por: Merge Games, Jankenteam
Publicado por: Merge Games
Gênero: Ação, Indie
Série: Alex Kidd
Lançamento: 22 de Junho de 2021
Classificação indicativa: 7 anos
Modos: 1 Jogador
Disponível para: PlayStation 4, Nintendo Switch, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X e PC

 

Lembro como se fosse ontem, porque afinal, lembranças boas ficam registradas para sempre! Era 1998 e meu pai era o “cara” no quesito tecnologia na época, então meu vizinho que possuía um Master System e havia estragado o mesmo, pediu para meu pai consertar e eu fui analisar o conserto jogando o quê? Alex Kidd obviamente, fazia parte da memória do console. Gostaria de dizer aqui minhas enormes façanhas desde pirralha, mas a verdade é que não consegui sair da primeira fase – deve ter sido uma das minhas primeiras frustrações na vida.

Então quando vi que o jogo iria relançar, não pude perder, queria testar minhas habilidades atuais e claro por em ação minha vendeta. E ah que orgulho, após várias mortes na primeira fase – me desesperei por um momento – acabei pegando o jeito e dando conta do recado. Contudo, o Remake aumentou minhas chances, pois modificou alguns elementos do gameplay que vou estar explicando pra vocês minuciosamente nessa review que está prestes a começar. Prepare um oniguiri, hambúrguer, omelete espanhol ou peixe com fritas e vamos nessa!

Alex Kidd in Miracle World DX
Após 30 anos, não é mais spoiler certo? (Foto/Reprodução: Ígara Ferreira)

Quem é Alex Kidd mesmo?

Alex Kidd foi um dos mascotes da SEGA e rivalizou com o Mario por um tempo, mas em 1991 foi substituído pelo ouriço azul – Sonic. Alex é um órfão, treinado com uma técnica chamada de Shellcore que permite aumentar a resistência e o tamanho de seus punhos, possibilitando assim que o jovenzinho possa destruir pedras.

No mundo em que vive o rei sumiu, um vilão – Janken – assumiu o trono e aprontou as mais diversas atrocidades! Sequestrou o herdeiro da coroa, aprisionou a princesa Lora e ainda transformou todos os habitantes em pedra. Então após ficarmos a par das últimas fofocas do reino, acabamos por descobrir ser parte da família real e assumimos a responsabilidade de consertar as coisas.

Como o título está completamente localizado em PT-BR, você poderá conferir todas essas informações nos minutos iniciais. Além de apreciar as belas ilustrações que dão uma cara mais moderna para Alex Kidd in Miracle World – lançado inicialmente em 1986.

Antes e depois

Assim que iniciamos nossa aventura nos deparamos com um visual moderno e repleto de dinamismo. É realmente deslumbrante ver toda as mudanças gráficas, além de finalmente poder reconhecer as criaturas e personagens. Quem nunca imaginou que o Alex Kidd era um filhote de gorila ou algum bicho humanoide do gênero? No visual atual é possível observar que ele é apenas um garoto cabeludo.

Porém a lembrança prega peças, é verdade, e você talvez não se lembre mais ou quem sabe não tenha experimentado o jogo original para ver toda a diferença. No entanto é aí que a Merge Games faz algo incrível e com o pressionar de um simples botão podemos alterar entre o visual novo e antigo, conferindo em primeira mão toda a reconstrução de personagens e cenários.

A mudança obviamente não fica apenas por conta do visual, mas de efeitos e trilha sonora também. É a mesma melodia, porém com muito mais qualidade e harmonia para nossos ouvidos.

Alex Kidd in Miracle World DX
Se você perder o veículo precisará ir nadando. (Foto/Reprodução: Ígara Ferreira)

Pedra, papel e tesoura!

Alex Kidd in Miracle World DX é um jogo de ação 2D, onde devemos pular, correr, nadar, pilotar, dirigir e seguir em frente passando por inúmeros adversários em busca de nossos objetivos. Para isso contamos com os punhos do nosso garoto para quebrar as pedras no caminho e derrotar inimigos, como também itens que podem ser encontrados pelo cenário ou comprados na loja para ajudar na aventura como vidas, veículos, anéis que lançam projéteis e muito mais.

No decorrer da campanha também devemos encontrar diversos chefes que nada mais são que os comandantes do rei malvado. Algo curioso é que esses chefes nas lutas inicias não são derrotados na pancadaria e sim no famoso jogo Joquempô. Com pedra, papel ou tesoura você deve definir sua jogada para derrotar os chefes numa partida de melhor de três. Porém mais para frente na história, além do Joquempô temos algumas lutas de verdade que exigiram uma maior destreza da nossa parte.

Uma das grandes mudanças que facilitaram esse Remake foi a disposição das vidas e continues. Enquanto no jogo original tínhamos três vidas e continues limitados que nos forçavam a reiniciar a campanha em caso de muitas mortes, aqui após perdermos todas as vidas somos encaminhados apenas ao início da fase atual. Ademais o jogo também permite que estejamos utilizando vidas infinitas, opção que pode ser habilitada pelo menu em qualquer momento.

Alex Kidd in Miracle World DX
Felizmente não existe um medidor de respiração. (Foto/Reprodução: Ígara Ferreira)

Como está a jogabilidade em Alex Kidd?

Esse é o único quesito que me impede de dar uma nota 10 para o título, a jogabilidade. É notável que existe sim uma melhora, mas podia ser melhor. Quando estava jogando pude perceber aquela sensação de pés escorregadios, onde ao pular acabamos deslizando e errando nosso objetivo. Além disso o timing dos hits as vezes parece não bater adequadamente com o movimento executado no DualSense – usado via retrocompatibilidade do PlayStation 4 no PS5. Talvez tenha sido proposital estipular essas dificuldades, mas já que renovaram tudo com tanto afinco, acaba chamando uma atenção indesejada.

No entanto não é algo que interfira a diversão, afinal, você acaba criando uma certa memória muscular e aprende a contornar as dificuldades. Alex Kidd é tão diversificado e viciante que você perdoa e mal percebe o tempo passar ao longo das 20 fases da campanha principal.

Para amantes do título original, existe um modo no menu principal – desbloqueado após completar a campanha – que permite experimentar não só o visual e trilha sonora, mas também toda a jogabilidade oferecida nos anos 80. Ademais existe um modo de torneio exclusivo para jogar Joquempô e derrotar todos os chefes novamente.

Alex Kidd in Miracle World DX: Vale a pena?

Sim, ele tem um custo benefício excelente e nos proporciona muitas horas de diversão, além de fornecer boas memórias para os fãs de Kidd – existem 15 coletáveis que relembram a história do jogo inclusive. Com localização em nosso idioma, gráficos, trilha sonora e jogabilidade melhoradas – mesmo com alguns pormenores – é inegável que a Merge Games colocou muita dedicação aqui e tornou o que já era lendário, em algo realmente memorável.

Para os amantes desse clássico chegou a hora de ligar a nostalgia e criar novas lembranças, mais belas e coloridas. Joquempô?


*Cópia de imprensa disponibilizada gratuitamente para PlayStation 4 pela Merge Games para a elaboração desta análise*