CRYPTA ESTREIA E A ESTREIA AFIADA EM ECHOES OF THE SOUL

Echoes Of The Soul
Ficha Técnica
Artista: Crypta
Álbum: Echoes Of The Souls
Faixas: 10
Formação: Fernanda Lira (baixo e vocal), Sonia Anubis (guitarra), Tainá Bergamaschi (guitarra) e Luana Dametto (bateria)
Gravadora: Napalm Records
Ano: 2021

 

INTRODUÇÃO

“Echoes Of The Soul”, disco de estreia do Crypta, foi lançado no dia 11 de junho de 2021 pela Napalm Records e marcou o início de mais uma promissora banda da cena nacional.

É necessário ressaltar que a banda Crypta foi fundada em 2019. Entretanto, o projeto ganhou notoriedade em 2020, após a separação da banda Nervosa. Assim, Fernanda Lira (baixo e vocal) e Luana Dametto (bateria) injetaram todas as suas energias no projeto, trazendo a holandesa Sônia Anubis (guitarra) e brasileira Tainá Bergamaschi (guitarras) para comporem o restante da formação.

Em contraste ao Thrash Metal desenvolvido na discografia do Nervosa, o álbum chegou com a promessa de trazer uma sonoridade bastante pautada no Death Metal clássico, trazendo alguns elementos de Black Metal.

O álbum foi gravado em janeiro de 2021 no estúdio  Family Mob, mixado por Arthur Rizk ( que trabalhou com CODE ORANGE e POWERTRIP) e masterizado por Jens Bogren (OPETH, DIMMU BORGIR, SEPULTURA, etc). A arte da capa foi criada por Wes Benscoter, que é conhecido internacionalmente por seu trabalho com bandas como SLAYER, KREATOR e BLACK SABBATH.

Echoes Of The Soul
Dametto, Lira, Anubis e Bergamaschi

AWAKENING

Awakening” é uma intro com clima de terror que dita o tom macabro que o disco terá.

STARVATION

De cara, temos a bateria pulsando, enquanto um riff em tom maligno ressoa como uma trilha de terror. Destaca-se o vocal de Fernanda Lira que soa mais estridente e gutural do que em seus registros anteriores. O solo de guitarra já demonstra que a dupla Anubis e Bergamaschi não veio para brincar.”Starvation” é uma faixa de abertura que cumpre bem a função de introduzir ao ouvinte à sonoridade dessa nova banda.

POSSESSED

Com uma introdução que de tapping que remete a um Melodic Death Metal, logo “Possessed” passa a utilizar riffs cadenciados. O mais interessante da composição da faixa são os momentos em que o instrumental pausa e o pedal duplo passa a guiar todas as ações. Na segunda metade, a canção retoma a melodia em solos que remetem à introdução. Com certeza, se trata de uma canção muito bem executada em sua curta duração.

DEATH ARCANA

Death Arcana” já aparenta seguir uma linha mais old-school. No entanto, logo as mudanças de andamento surpreendem positivamente.

SHADOW WITHIN

Em seguida, a mal encarada “Shadow Within“. Aqui, o destaque fica para o vocal de Fernanada Lira, que transita entre tons graves e estridentes.

UNDER THE BLACK WINGS

Após uma introdução sombria, o vocal, tão sombrio quanto, anuncia “Under The Black Wings”. Essa é uma das canções que trazem à tona o Old-School Death Metal com seu ritmo arrastado.

KALI

Kali” é rápida e brutal. A canção passa um constante senso de urgência que passa pela melodia das guitarras e tromba com o frenezi do baixo e da bateria.

BLOOD STAINED HERITAGE

A oitava faixa possui um ótimo riff de guitarra e um refrão que marca fácil. “Blood Stained Heritage” aposta, principalmente, na velocidade.

DARK NIGHT OF THE SOUL

“Dark Night Of The Soul” chama a atenção por seu início que remete à música oriental. Aliás, essas inserções percorrem toda a canção sutilmente e são uma excelente surpresa. É impossível não se impressionar com o trabalho realizado pelas guitarras nessa faixa. A penúltima canção do disco soa extremamente rica e variada e leva o final do álbum para uma crescente.

FROM THE ASHES

A faixa de encerramento do álbum, “From The Ashes”, foi o primeiro single divulgado pela banda. Com refrão forte, estrutura bem definida, frases melódicas das guitarras e pequenas pitadas de Black Metal em sua bateria incessante, a faixa encerra o disco de forma extremamente competente.

https://www.youtube.com/watch?v=rvYn45PfdcY

CONCLUSÃO

Sem dúvidas, o destaque do álbum fica para Sônia Anubis que executou, junto de Tainá Bergasmaschi, um excelente trabalho de guitarras, tanto nos solos quanto nos riffs. Entretanto, é impossível não comentar a respeito da bateria brutal de Luana Dametto, que aparenta estar ainda mais apurada técnicamente. Quanto à Fernanda Lira, é evidente que a frontwoman está muito mais a vontade para explorar sua capacidade criativa nesse novo projeto. Isso ocorre tanto nas linhas de baixo, que soam mais destacadas em relação a sua banda anterior, quanto nos vocais. Aliás, os vocais, no primeiro momento, causam estranheza, pois diferem muito da técnica utilizada por Fernanda ao longo de sua carreira. No entanto, logo a nova abordagem é digerida como uma interessante adição à capacidade vocal da líder.

Portanto, “Echoes Of The Soul” é um excelente disco de estréia e apresenta a banda Crypta já madura e entrosada. O disco conta com um tracklist consistente e boa duração.Embora tenha sido apresentada como uma banda de Death Metal Old-School, o Crypta utiliza uma roupagem moderna, apostando em mudanças de andamentos que fogem do óbvio. Além disso, a banda utiliza alguns elementos de Black Metal que enriquecem a obra criativamente.Assim, o Crypta demonstra ser uma banda que respeita e homenageia o passado, enquanto olha para o futuro.