O game 99 Vidas é uma justa e bem executada homenagem aos jogos beat ’em up dos anos 1980 e 1990. Entretanto, além disso, ainda está entre os melhores jogos brasileiros que já tive a oportunidade de jogar.

  • Título — 99Vidas: O Jogo
  • Plataformas — PC, macOS e Linux via Steam (em breve para PS4, Xbox One e PS Vita)
  • Desenvolvedora — QUByte Interactive
  • Distribuidora —QUByte Interactive
  • Jogadores 4/4

 

Esta é uma produção do estúdio QUByte, feita a partir das histórias dos integrantes do podcast de mesmo nome, especializado em falar sobre a nostalgia dos videogames. Claro, as fases são lotadas de referências que os gamers do estilo vão sacar. Mas se você não conhecer, em nada vai atrapalhar a sua experiência de jogar um excelente game. Afinal mais que referências, o jogo tem que divertir, e ele consegue.

Além das referências ao seu próprio universo, o jogo é recheado, claro, de easter eggs dos diversos títulos de brigas de rua alvo das homenagens do 99 Vidas, razão real do game existir. É possível ver elementos visuais e sonoros que vão te lembrar de Golden Axe, Street of Rage, Final Fight e muitos outros.

A trilha sonora é uma agradável mistura entre a música eletrônica presente nos jogos beat’em up dos anos 90 com música brasileira de raiz. Qualquer um que teve um Mega Drive e jogou o Street of Rage 2 vai identificar a música da fase 2, quando entramos na locadora do Seu Roberto.

Os gráficos possuem aquele visual retrô que simula a aparência da era 16-bit, o que é muito comum em jogos indies do tipo, muito parecido aliás com Scott Pilgrim contra o mundo. Não haveria muito para falar sobre este aspecto, se não fosse pelas animações dos personagens. Este sim um quesito que merece aplausos. E é impressionante o esmero da equipe de desenvolvimento com os detalhes. Seja com os movimentos de luta dos diversos minions, e até a maneira como eles morrem.

Porém, o maior destaque do game está na sua jogabilidade. Neste quesito, o 99 Vida é superior do que muitos jogos atuais do gênero que fizeram até relativo sucesso, como Scott Pilgrim contra o mundo que citei acima, por exemplo, que tem os movimentos bem travados. Aqui não, tudo flui muito bem, os comandos respondem rápido e o gameplay é muito divertido.

O game possui um grau dificuldade elevado, desafiador, que você não experimentava nem nos jogos antigos que foram homenageados por eles. Isso é excelente, mas não surpreende, pois está de acordo com o legado da “locadora de elite” que eles tanto preservam nos programas. Se de certo modo isso é um alívio para o jogador mais hardcore, que quer se superar, melhorar até chegar ao final, pode afastar os jogadores casuais.

Seja das antigas ou não, esse game vale sua atenção e sua diversão é garantida.