Oh, Hey! Como estão? Bora para a resenha do anime que foi surpresa nessa temporada? Ligue seu som, cuidado com os D2 e venha ler!

Takt Op. Destiny Resenha
Ficha Técnica
Origem: Japão
Gênero: Ação, Fantasia, Música
Episódios: 12
Exibição: Outubro 2021 / Dezembro 2021
Sinopse: Um dia um meteorito negro caiu no mundo, e o mundo mudou completamente. O meteorito produziu monstros grotescos chamados D2. Os D2 rapidamente baniram todas as músicas, que era a única coisa capaz de superá-los. Mas houve algumas pessoas que resistiram aos D2. São jovens que detêm o poder da música, os chamados “Musicart”. Essas jovens possuem músicas que são capazes de derrotar os monstros. E também existe pessoas capazes de comandarem os Musicart, essas pessoas são conhecidas como Maestros. A história passa na América do ano de 2047, que está em ruínas graças aos D2. Takt, um Maestro, é parceiro de uma Musicart chamada Unmei. Takt deseja que a música volte ao mundo, e Unmei deseja destruir os D2. O objetivo conjunto deles é viajar para Nova York.

Opening:

Trailer:

Informações Gerais:

A animação é dos estúdios MAPPA e Madhouse, a direção é de Yuuki Itoh (Granblue Fantasy the Animation, Magical Girl Lyrical Nanoha ViVid), o roteiro é de Kiyoko Yoshimura (Linebarrels of Iron,The God of High School), o design de personagens original é de LAM e a sua adaptação para anime é da responsabilidade de Reiko Nagasawa (Overlord III) e a música foi entregue a Yoshihiro Ike (The Great Passage, Dororo, Tiger & Bunny).

Takt Op. Destiny resenha 1

Uma premissa inovadora

Lembro exatamente o dia que entrei em contato com esse anime. Era uma sexta a noite, minha namorada e eu buscávamos algo para assistir.

Abrimos a página inicial da Crunchyroll e nos deparamos com esse lançamento. De início, a beleza nos chamou a atenção.

Logo no começo do primeiro episódio, a premissa também nos capturou: um mundo onde a música era proibida! Realmente algo diferenciado e assustador.

Imagine você, caro leitor, vivendo em um mundo sem música. Onde você não pode ligar seu radinho com seu artista preferido, pois um monstro gigantesco virá destruir tudo se isso acontecer!

Tendo em vista que os temas mais abordados ao longo da história são sensíveis e humanos, a obra foca no desenvolvimento de cada personagem e na sua história passada.

Se você busca um anime centrado em porrada, Takt. Op Destiny não é para você! As lutas são incríveis sim, porém o drama é o verdadeiro tempero da animação!

Ao longo dos episódios, vamos compreendendo o motivo das coisas acontecerem e os objetivos de cada personagem. Não quero abordar muito, até para não dar spoilers e estragar a experiência.

Batalhas Perfeitas

A animação das batalhas é algo estonteante. Podemos ver o detalhe e o carinho que cada frame recebe.

As cores são muito bem aplicadas, e o brilho das explosões parece sair da tela.

A movimentação fluída de cada personagem, acompanhada da música que o anime apresenta, faz com que a imersão seja mais profunda.

Na questão da transformação dos protagonistas para as batalhas, posso dizer que também me surpreendi. Para a Musicart liberar seus poderes, toda vez o Maestro deve “perder” sempre uma parte de si. Esse conceito é muito interessante.

Pontos Negativos

Takt Op. Destiny resenha 2

Apesar de todos os pontos positivos apresentados nos tópicos anteriores, Takt Op. Destiny sofre de um grave problema: ele não consegue manter o espectador preso.

Sabe aquela vontade de assistir um episódio atrás do outro? Então, não senti isso vendo esse anime.

Não sei dizer ao certo o que causa isso. A premissa pode sim ser inovadora, porém é notável o quanto os personagens são genéricos.

Vamos observar o trio principal: Takt é o típico protagonista teimoso e resmungão, Unmei é mais uma arma viva com passado triste de ficções científicas, e provavelmente você já viu outros diversos personagens iguais a Anna em outros animes.

Muitas vezes, como os protagonistas não são fortes o suficiente para carregar a história, a própria história faz isso, com roteiros e plots que nos fazem grudar na cadeira. Porém, nesse anime, isso também não acontece.

Eu senti várias vezes que o roteiro não ia para lugar algum, repetindo conceitos e realmente me dando um cansaço e uma certa preguiça de assistir.

Outro ponto que varia ao longo dos episódios é a animação. Ela começa muito bem e muito caprichada, entretanto, por pressão e por falta de tempo hábil na produção, a qualidade decai muito conforme os episódios decorrem.

Muitos animes passam por situações semelhantes, onde o tempo é curto e a animação deve ser impecável. Tais situações levam os trabalhadores ao limite criativo e de produção também, e mesmo assim não alcançam o nível desejado.

Acredito que obras com a magnitude de animação de Takt Op. Destiny não deveriam sofrer tamanha pressão na produção, pois isso afeta a mente dos trabalhadores por trás da criação. Isso, infelizmente, é um dos problemas que a massificação dos serviços de streaming acarretam, onde toda semana um episódio novo deve ser lançado obrigatoriamente.

Takt Op. Destiny resenha 3

Considerações Finais

Tendo em vista os pontos apresentados, a nota que tenho que dar para Takt Op. Destiny é:

Apesar de tudo, a obra é a grande surpresa dessa temporada e vale a pena assistir! Toda obra tem seus problemas, mas isso não tira o brilho e encanto que Takt Op. Destiny possui.
Porém, exige certa paciência e um empenho do espectador na hora de consumir.
A história é interessante, acredito que a jornada é sim muito legal de acompanhar.
Assista, aproveite a viagem e nos diga o que achou nos comentários!
Até a próxima!

Takt Op. Destiny resenha 4