Samuel L. Jackson, nosso eterno Nick Fury,  estrela sonolenta comedia de ação da Netflix.

O cenário era bem favorável: ator memorável dos últimos filmes da Marvel (Samuel L. Jackson), veterano no cinema/TV (Richard Rountree) e aposta jovem (Jessie Usher) para fazer um filme de ação com pitadas de comedia pela Netfllix. Se a receita aí não parece nada de novo ou extraordinário, ao meu ver também não deveria ser tão ruim. Correto? Pois bem, essa “mistureba” no fim das contas, não agrada e nem definha. Parece mais um daqueles filmes que o elenco, por força contratual, vai lá e faz entre um grande filme e outro que também estão rodando ao mesmo tempo. Pelo menos pra mim essa foi a impressão que ficou. Tal qual experimentar o pão de queijo da minha vó que naquele dia ficou sem o gosto especial de sempre: você vai lá, consome, não reclama mas sabe que o alimento/filme podia ser melhor.

Sinopse

Após a morte suspeita de um amigo, John Shaft Jr. resolve pedir ajuda a seu pai, Shaft, para resolver o caso. Ele aceita deixar a aposentadoria para iniciar a investigação, apesar dos problemas existentes com o próprio filho.

Ficha Técnica

Título Original: Shaft
Duração: 112 minutos
Ano produção: 2019
Estreia: 28 de junho de 2019
Elenco: Samuel L. Jackson, Jessie Usher, Richard Roundtree
Distribuidora: Netflix
Dirigido por: Tim Story
Classificação: 16 anos
Gênero: Ação, Comédia
Países de Origem: EUA

 

Obs: Essa resenha NÃO possui spoilers.

Lá em cima eu utilizei o adjetivo “sonolento”. E vou direto ao ponto: foi a primeira palavra que me veio à cabeça para descrever este filme. Confesso que fui com “sede ao pote”, pois sou muito fã de Samuel L Jackson (que dentre todos esses atores negros de Hollywood pra mim é o segundo melhor, perdendo apenas para Denzel Washigton, porque, sinceramente, todo filme que vejo desse cara é, no mínimo, bom!) e acabei indo otimista para ver Shaft. Entretanto, quanto maior a expectativa, maior a chance da gente quebrar a cara. Queria ter gostado muito mais dele do que realmente foi pra mim. Dormi umas 3x e confesso que não queria que isso acontecesse.

Esse filme, no caso, foi mais uma dessas decepções. E não que o filme seja horrível ou tão chato quanto assistir ao Vídeo Show ou ao canal do Felipe Neto por exemplo. Mas é aquele tipo chatinho de filme que a gente deixa ligado na TV, mas acaba te dispersando, fazendo a gente mexer no celular ou fatalmente dormindo. Comigo aconteceram todas as possibilidades anteriores. Tive que insistir e somente na terceira tentativa é que consegui terminá-lo (quase que como uma missão dada por honra, orgulho ou só burrice/ teimosia desse que vos escreve mesmo!).

Samuel L Jackson parece estar no piloto automático: todas as suas piadas, tiradas ou tentativas disso estão lá. O que incomoda, sinceramente, é a cara de fezes que ele faz o filme todo. Por isso me deu a impressão de que ele não estava muito afim de gastar tempo indo lá pra filmar. E isso para um ator é assassinar sua obra, principalmente quando ele é o protagonista do filme.

O elenco restante também parece não fazer muita diferença: Jessie Usher, um dos protagonistas de Independence Day 2, faz John Shaft 3, filho de Shaft (Samuel L Jackson). Aqui ele atua como um nerd que trabalha para o FBI e pede ajuda a seu pai para tentar resolver um crime do qual o amigo foi vítima. Até que a historinha é bem criativa, mas a atuação dele como alívio cômico é sofrível. Que cara sem graça!

As cenas de ação são boas, bem coreografadas, tem algumas piadinhas legais aqui e ali, mas nada tão legal quanto, por exemplo, o filme Dupla explosiva, protagonizado também por Samuel L Jackson e Ryan Reynolds: só pra tirar de base um filme no mesmo gênero protagonizado pelo mesmo ator. Lá a ação é bem mais espetacular e os diálogos exageradamente mais legais. Aqui parece que falta um pouco de alma ao filme Shaft.

A melhor parte do filme, se é que há alguma, é o ator que faz o avô de Jessie Usher no filme: Richard Roundtree. Fiquei mais interessado no personagem do avô que consegue ser o único mais divertido e interessado: imagine um senhor octagenário que é fodão ao estilo Stallone Cobra, Blade o Caçador de Vampiros, Schazenegger etc. Acho que se dessem mais tempo de tela pra ele, o filme ficaria bem mais legal. Seria mais interessante mostrar em flashbacks ou contar um pouco de como o primeiro Shaft começou a vida de “investigador fodão que não segue regras”.

Samuel L Jackson faz o que pode, tenta, atua, faz o que sabe fazer de melhor, mas não salva Shaft. Filme no máximo legalzinho.