A bruxinha mais controversa volta ainda mais polêmica. Na última sexta-feira, 5, a Netflix liberou a segunda parte da série O Mundo Sombrio de Sabrina, a nova adaptação da clássica série dos anos 90 Sabrina, Aprendiz de Feiticeira.

Título Original: Chilling Adventures of Sabrina

Duração: 60 min/ episódio

Ano produção: 2019

Estreia: 5 de abril de 2019

Distribuidora: Netflix

Dirigido por: Roberto Aguirre-Sacasa

Classificação: 16 anos

Gênero: Drama, Fantasia

Países de Origem: EUA

Sinopse

A parte 2 da série mostra Sabrina explorando seu lado mais obscuro, curiosa para aprender ainda mais sobre sua herança, enquanto luta para manter suas amizades do mundo mortal.

Diferente do que vimos na primeira parte, Sabrina Spellman (Kiernan Shipka) agora mostra-se bem mais madura. Mas os primeiros episódios ainda tratam muito dos dramas envolvendo seu ex namorado, Harvey Kinkle (Ross Lynch). Se você está esperando um foco maior na parte bruxa da garota logo no começo, não é isso que terá, vai precisar ter um pouco de paciência.

Ainda mais assombroso, a nova parte mostra a meio-bruxa e meio-humana explorando o seu lado obscuro, a procura de entender o que realmente aconteceu com a trágica morte de seus pais e a luta para não perder os amigos do mundo mortal. Sabrina agora precisa lidar com as consequências de ter assinado seu nome no Livro da Besta. Ainda muito vinculada ao seu lado mortal, ela tenta ao máximo se afastar de seus amigos para que não os machuque.

A nova temporada é viciante, é polêmica e é política. O universo alegórico traz reflexões do mundo real, a busca da representatividade feminina no âmbito religioso, a busca de identidade e o conhecimento do verdadeiro papel do indivíduo na sociedade.

Nessa parte 2, temos episódios em excesso e que parecem estarem ali, apenas, para cumprir tabela. Assim, a nova leva é marcada pela demora para achar sua luz e engatar a trama nesses 9 novos episódios. O que era pra ser um aprofundamento dentro do lado bruxo da personagem, e da série, de uma maneira geral, acaba por mostrar que os roteiristas não souberam lidar muito bem com o vasto e gigantesco mundo de Sabrina, alguns personagens parecem ficar de lado, e muita coisa fica em segundo plano.

Mesmo com alguns deslizes, essa segunda parte é superior a primeira, tem ótimos momentos com uma ótima estética, fica aqui a nossa torcida e ansiedade para uma terceira temporada.

Para finalizar, a série mais uma vez mostra o poder feminino, a sororidade e a resistência delas.