Já na 1ª temporada o seriado, mostrou que não seria um programa para pessoas mais “sensíveis”, Então se você achou o Frank Castle violento, se prepare pois violência não falta nesta explosiva 2ª temporada de “O Justiceiro”

  • Sinopse: Continuando os eventos do final de sua primeira temporada, acompanhamos Frank Castle (Jon Bernthal) (Que nasceu para o papel) — que agora assume a identidade de Pete Castiglione, por causa do acordo que fez com a Segurança Nacional — em uma vida calma, sem violência, viajando de cidade em cidade, ajudando as pessoas como um bom samaritano, Só que, o problema o encontra. Castle se vê em uma onda de justiça/vingança ao tentar proteger a menina Amy (Giorgia Whigham, uma revelação) que virou alvo de pessoas perigosas e está envolvida com um misterioso segredo, E como se isso já não bastasse, um velho Ex-amigo, ressurge para complicar ainda mais as coisas.

Como podemos ler na sinopse acima, teremos pelo menos 2 inimigos principais e poderosos nesta temporada:

John Pilgrim (Josh Stewart):

Trata-se de uma figura misteriosa e ameaçadora que usa a fé e a religião para justificar as barbaridades que faz (de longe, faz lembrar do arco de Helena em Orphan Black). Sua aparição tem ainda a participação ilustre, porém, caricata de Corbin Bernsen (Um Time Muito Louco, Psych) e Annette O’Toole (Smallville).

Billy Russo (Ben Barnes):

Que agora se recupera da lesão causada por Frank Castle em seu rosto, aparentemente sem memórias do acontecido. Enquanto o personagem chega cada vez mais próximo de se tornar o clássico vilão Retalho, porém seu visual decepciona, pois de retalhado tem muito pouco. Surpreendentemente, Barnes conseguiu trazer com méritos a dualidade do personagem, confuso mas cruel, agindo por impulso.

Os destaques femininos:
A agente Dinah Madani (Amber Rose Revah) resolve trazer Castle de volta para Nova York para ele caçar o recém-foragido Russo, que se envolve com sua psiquiatra (Bem maquininha também) Krista Dumont (Floriana Lima) que vem tratando de sua profunda amnésia há meses. É essa providencial amnésia que faz com que o lado psiquiátrico da temporada ganhe extrema relevância ao ponto de se tornar cansativo e, mais do que isso, repetitivo. A quantidade de texto expositivo que é enxertado nos roteiros de maneira a martelar a ideia de que Russo é uma pessoa mudada faz com que a temporada reapresente os mesmos problemas da anterior, só que de forma invertida. Se antes Russo era frio e calculista e Castle era o louco furioso, agora Russo é movido por paixão e por uma tábula rasa que o deixa desesperado. Ele é odiado sem saber o porquê, sem sentir o porquê e faz de tudo para remediar isso, só que esse “tudo” é, basicamente, repetir o que vimos anteriormente.

Se as aparições de Karen Page serviam para não deixar o espectador perder a conectividade com o lado “humano” do Justiceiro, Amy (Giorgia Whigham) é a personagem responsável por escancarar este lado “sensível” e familiar do protagonista, proporcionando momentos ideais para que nós, espectadores, possamos torcer por este anti-herói, mesmo em meio aos seus métodos mais extremos. A relação dos dois evolui de forma cativante ao longo da temporada, e elevam a série muito além de qualquer tensão ou intriga gerada pelos ganchos fracos de alguns episódios.

O protagonista:

Mas o maior destaque fica, sem dúvidas, para
Jon Bernthal e sua interpretação digna de nota de um protagonista que não é tão facilmente gostável quanto vários outros anti-heróis (Ainda mais agora que o trauma da família assassinada foi ficando para trás). A maneira como o ator consegue transparecer a relutância do personagem, principalmente em cenas onde a fúria e a violência tomam conta, é de grande benefício para a série como um todo, sendo possível perceber como há uma transformação no estado e na expressão de Frank Castle em meio à ação.

Minha Opinião: Apesar de ainda não ter uma narrativa de primeira linha como Demolidor por exemplo, O Justiceiro surpreende em vários aspectos, e mesmo que a série derrape em alguns momentos, ainda vale a pena ser maratonada.

Minha Nota: 08/10

Ficha Técnica:

Formato: Série
Gênero: Ação/Policial/Drama
Duração: 49–58 minutos
Autor(es): Steve Lightfoot
Baseado em: “Yhe Punisher”
de Gerry Conway,
John Romita e Ross Andru

País de origem:
Estados Unidos
Idioma original: Inglês

Produção:

Produtor(es): Gail Barringer
Produtor(es) executivo(s): Tom Shankland (1×01)
Cindy Holland
Allie Goss
Laura Delahaye
Kris Henigman
Alan Fine
Stan Lee
Joe Quesada
Karim Zriek
Jim Chory
Jeph Loeb
Steve Lightfoot
Editor(es) William Yeh
Russell Denove
Tirsa Hackshaw

Cinematografia: Bill Coleman
Manuel Billeter
Petr Hlinomaz

Distribuída por: Netflix

Elenco:
Jon Bernthal
Ebon Moss-Bachrach
Ben Barnes
Amber Rose Revah
Daniel Webber
Paul Schulze
Jason R. Moore
Michael Nathanson
Jaime Ray Newman
Deborah Ann Woll
Josh Stewart
Floriana Lima
Giorgia Whigham

Compositor da música-tema: Tyler Bates
Empresa(s) de produção: Marvel Television
ABC Studios
Bohemian Risk Productions
Localização: Nova Iorque

Exibição:
Emissora de televisão original: Netflix
Transmissão original: 17 de Novembro de 2017 – atualidade
N.º de temporadas: 2
N.º de episódios: 26

Trailer 1:

//youtu.be/STuXgXcOVPE

Trailer 2:

//youtu.be/gUhKFt6Dztw