É hora de dizer adeus. Com muitos aprendizados e uma história impecável, a 4ª e última temporada de Atypical chegou na Netflix.

Depois de três temporadas incríveis, onde tivemos a oportunidade de conhecer toda história do Sam (Keir Gilchrist) e sua família, a mãe Elsa (Jennifer Jason Leigh), o pai  Doug (Michael Rapaport) e irmã mais nova Casey (Brigette Lundy-Paine), a última temporada conseguiu encerrar um ciclo, deixando o coração quentinho, cheio de emoção e orgulho mas também apertado por saber que não veremos mais personagens tão incríveis em tela.

Atypical sempre conseguiu transmitir o autismo de forma muito clara e leve através dos olhos de Sam, um adolescente muito inteligente, sincero, organizado e apaixonado por pinguins. Mas a última temporada, diferente das três primeiras em que ainda estávamos conhecendo e entendendo tudo e todos, teve o foco maior no propósito e nos sonhos de cada um dos personagens, encerrando assim esse ciclo de forma muito linda e emocionante.

Atypical - 4ª temporada
Ficha Técnica
Título: Atypical
Ano de Produção: 2021
Dirigido Por: Michael Medico, Jennifer Arnold
Estreia: 09 de julho de 2021
Duração: 303 minutos
Classificação: 14 anos
Gênero: Drama, Comédia
País de Origem: EUA
Sinopse: Casey e Sam estão prestes a sair de casa, e a família Gardner precisa tomar decisões importantes.

 

Por isso novos começos são empolgantes: só sabemos o que acontecerá, depois que acontece

Vimos o Sam evoluir de uma forma muito intensa e linda, e agora, ele cresceu e mora sozinho com o seu melhor amigo Zahid (Nik Dodani). Infelizmente, morar com uma pessoa que você conhece não torna o processo menos complicado, mas a sinceridade do Sam sempre conseguiu simplificar as coisas e tornar o processo menos doloroso, bastou boas conversas e “regras” para tudo ficar mais fácil.

O amor que Sam tem pelos pinguins sempre foi algo emocionante, que deu ao personagem forças em muitos momentos. Todas as vezes em que lembro das cenas em que ele estava mal, e a única coisa que o acalmava era observar os pinguins nadando, tenho vontade de chorar de emoção, é uma conexão linda e única. E é claro que, quando Sam se questiona sobre seu maior propósito, não teria como ser outro: ele quer conhecer a Antártica.

Ter uma namorada, se formar no ensino médio, ir para faculdade e morar sozinho, pareciam coisas pequenas perto das grandes dificuldades de uma viagem como essa, mas Sam mostrou a sua evolução na prática, com muita organização, determinação e claro, ajuda das pessoas em sua volta, que de começo tiveram medo, mas abraçaram a causa junto com ele. A Antártica ficou pequena perto da grandiosidade do Sam.

Sam - Atypical 4ª Temporada
Sam – Atypical 4ª Temporada

Sabe, eu pensei muito nisso. E a resposta é: não se meta

A personalidade durona e brincalhona de Casey segue intacta, mas dessa vez, foi usada como uma barreira para esconder seus reais sentimentos. Como sabemos, Casey na terceira temporada encerrou o relacionamento com Evan (Graham Rogers), de uma forma não tão legal, afinal, antes do término, se envolveu com Izzie (Fivel Stewart) e apesar de tudo estar aparentemente resolvido, sua mãe saber, ela ainda não tinha passado por um “obstáculo” importante: contar ao seu pai, que agora também trabalha ao lado de Evan.

Além do mais, Casey está 101% focada nos estudos e no esporte, pois é o que garante a ela uma vaga de bolsista na escola, e também a oportunidade de ir para a faculdade sonhada. Com isso, a série trás a tona um assunto muito importante, que é a pressão que os jovens sofrem pela perfeição. Todos em volta de Casey esperam o melhor dela, sua mãe, seu pai, sua namorada e a escola, o que resulta em ansiedade e frustração, que levou a mesma a desistir da corrida, um esporte que sempre amou.

O sonho de Casey sempre foi correr e agora ela não conseguia mais ver isso como algo bom, e sim como algo que era obrigada a executar de forma perfeita. Achei genial entrarem nesse assunto, afinal, é exatamente a realidade frenética em que estamos vivendo hoje: você sempre precisa fazer mais e mais e dar o seu melhor, mas até que ponto isso é saudável?

Sam e Casey - Atypical 4ª temporada
Sam e Casey – Atypical 4ª temporada

Eu nunca achei que eu teria uma namorada, e aí eu encontrei a melhor do mundo todo: você

A verdade precisa ser dita: Paige (Jenna Boyd) sempre foi e encerrou a temporada sendo autêntica e incrível, além de claro, uma namorada ótima para Sam. Não que eu não amasse a Paige da primeira temporada, que era explosiva e mandona, afinal, como esquecer o dia em que ela defendeu Sam da escola inteira? Mas a evolução que ela mostrou ter tido até aqui é impecável, sabendo sempre o que falar, como falar e aceitando seus erros. Tem coisa mais linda do que entender que somos humanos, erramos, e ter maturidade para falar sobre isso?

Nada que a Paige tenha feito nessa temporada, nem mesmo o surto de medo que teve com relação a viagem do Sam, me fez ficar decepcionada, pois eu tinha certeza que ela voltaria atrás e resolveria tudo com a cabeça erguida. Eu amo tudo nessa personagem, a positividade, os looks, a generosidade e principalmente, a forma como ela cuida do Sam e o entende.

Conquistar o Sam não foi fácil, mas a Paige seria a única possível a conseguir isso, e conseguiu, a trajetória desse casal foi linda, divertida, e se encerrou da forma mais pura que poderia: com o Sam, que normalmente não expõem seus sentimentos, entendendo que naquele momento eles precisariam terminar para seguirem seus sonhos, mas isso não impactaria no amor que eles sempre sentiriam um pelo outro. E não, eu não to chorando escrevendo isso, você que tá.

Paige e Sam - Atypical 4ª temporada
Paige e Sam – Atypical 4ª temporada

Eu sempre aguento mais um abacaxi pelo Sammy

O maior alívio cômico da história dos alívios cômicos não poderia deixar de ser citado aqui: Zahid, o melhor e mais engraçado amigo que Sam poderia ter. É impossível não se apaixonar por um personagem tão carismático, que vê a vida de forma tão leve e simples que as vezes até faz com que a gente pense: eu deveria ser um pouquinho mais Zahid às vezes.

Os dois mostraram nessa temporada que amizade não tem apenas pontos altos, afinal, de começo quase desistiram da ideia de morar juntos, mas conseguiram encontrar o ponto de equilíbrio e serem o apoio necessário um para o outro. Zahid nessa temporada enfrentou um câncer e Sam superou seu medo de dirigir só para buscá-lo no hospital. E Zahid apoiou o sonho de Sam desde o começo.

Zahid protagonizou uma das evoluções mais legais dessa temporada, e mesmo assim, não deixou de trazer muita comédia para o telespectador. Me despeço dessa amizade com o prazer de saber que ela fez parte da minha vida.

Sam e Zahid - Atypical 4ª temporada
Sam e Zahid – Atypical 4ª temporada

Se eu chorar, você não tira sarro de mim

Se tem uma coisa que eu nunca achei que aconteceria, era passar a gostar da Elsa, afinal, só admirava na personagem o amor nítido e a proteção que ela sempre teve pelo Sam, no mais, desde a traição, tudo que Elsa falava, me irritava. Mas aconteceu, a 4ª temporada me fez criar um certo afeto por ela, admirei sua evolução e todas atitudes com relação a sua família. Além de que, ela teve que lidar com a doença da mãe, mostrando um lado ainda mais frágil que não estávamos acostumados a ver.

Já o Doug, eu sempre amei de paixão, mesmo sabendo do seu passado. Um personagem muito querido, que correu contra o tempo para conquistar seus filhos e conseguiu. É claro que o que ele fez com relação a Izzie não foi nada agradável, mas eu sabia que ele daria um jeito de reverter a situação. No fim das contas, Doug conseguiu ganhar ainda mais meu coração, decidindo ir com o Sam, e não por medo do filho não conseguir sozinho, mas porque queria isso para ele também.

Prontos para ir?

Pensei que estava pronta para dizer adeus, porém assumo que aceitaria mais 5 temporadas no mínimo dessa história incrível. Mas, olhando pelo lado positivo, a série conseguiu encerrar de forma muito sincera e verdadeira. Atypical sempre teve um roteiro simples, mas muito cativante e acho incrível que a série tenha conseguido manter a essência dos personagens mesmo com todos desafios que os mesmos enfrentaram. Além disso, Atypical em todo episódio consegue trazer algum tipo de aprendizado, uma mensagem, o que torna a história ainda mais incrível.

O que vou falar agora, certamente não diminuiu meu amor pela temporada, mas, eu não poderia deixar de citar, afinal, foi algo que senti falta: o Evan. Ele sempre foi muito importante para o Sam, para Casey e agora, pensei que seria para o Doug, mas infelizmente, o personagem teve pouquíssimo destaque, e para mim, esse foi o único ponto baixo da temporada. Sempre amei o Evan, e por tomar as dores dele, em muitos momentos fui contra Casey e Izzie, afinal, Casey e Evan sempre fizeram mais sentido para mim. Mudei de opinião sobre isso na quarta temporada, passei a gostar de Casey e Izzie juntas, mas, isso não substitui a falta que senti do Evan, acredito que ele poderia ter tido um desenvolvimento mais focado nele nessa temporada, sem diminuir as forças da Casey com outra pessoa.

Um final que ficou aberto para imaginação, uma história que tratou de pessoas reais e sonhos reais. Quando todos se abraçavam e diziam tchau para o Sam que seguiria ao lado de seu pai em uma grande viagem, eu me senti ali, parte do grupo, dando adeus a essa história que fez tanta diferença na minha vida. E o brilho nos olhos do Sam foi o que me fez aceitar esse fim: ele está feliz, ele ainda vai errar, vai aprender e vai superar, como sempre fez, e vai ter ao seu lado todo o suporte necessário de uma família incrível.

Obrigada por tanto, Atypical! Me despeço com o coração cheio de amor e gratidão.