American Horror Story 1984 enfim chegou ao fim, essa que foi uma temporada em homenagem aos filmes slashers dos anos 80.  American Horror Story: 1984 foi bom, mas faltou o que tipicamente torna o AHS excelente.

 

Ficha técnica

 

GêneroTerror
Ano produção:  2019
Países de OrigemEUA
Distribuição:  FX
Dirigido porBradley Buecker Gwyneth Horder Payton Jennifer Lynch John J. Gray Liz Friedlander Loni Peristere Mary Wigmore
Temporada09
Duração380 minutos
Classificação16Não recomendado para menores de 16 anos

 

  • Sinopse
    No verão de 1984, cinco amigos saem de Los Angeles para trabalhar como monitores no Acampamento Redwood. No entanto, eles não esperam que o passado macabro do lugar volte para assombrá-los de uma maneira violenta e mortal.

//www.youtube.com/watch?v=aSRQRiw4xwc

 

Quando a FX anunciou que a nona temporada de American Horror Story , 1984 , seria um filme de terror dos anos 80, os fãs imediatamente começaram a teorizar sobre o que o criador de reviravoltas Ryan Murphy tinha reservado para levar esse tema ao próximo nível. O título, que é o mesmo que o famoso romance de George Orwell, levou muitos fãs a supor que 1984 seria realmente sobre vigilância do governo (ou mesmo alienígena ). Outros previram que tudo seria revelado como parte de uma simulação ou loop de tempo . Mas todas essas teorias (incrivelmente detalhadas) acabaram se revelando inúteis, pois – pela primeira vez – a temporada era exatamente o que dizia: uma homenagem aos filmes de terror dos anos 80. Nada mais e nada menos. Mas isso é realmente suficiente? Não muito.

Isso não significa que a temporada não tenha sido muito divertida. O cenário nostálgico proporcionou a configuração perfeita para as referências exclusivas de AHS e as referências à cultura pop. Sinceramente a última coisa que esperávamos de American Horror Story era uma homenagem tão direta aos slashers dos anos 80, em vez de uma tentativa de pegar esse conceito e transformá-lo em algo novo, houve uma ou duas atualizações de clichês mas nada revolucionário.

Os melhores slashers têm um tema subjacente, um trauma que o filme  explora, como a crítica de Halloween dos valores sociais americanos (particularmente relacionados ao sexo antes do casamento) ou a exploração do filme A Hora do Pesadelo, horrores da adolescência ou pecados herdados. O mesmo pode ser dito sobre as temporadas anteriores de American Horror Story . Murder House, Asylum e Coven – a trindade sagrada do universo de AHS – tiveram tanto sucesso e permanecem tão reeditáveis ​​anos depois, precisamente porque cada temporada aperfeiçoava os traumas de seus personagens, encontrando maneiras inesperadas de ilustrá-los e forçando os personagens a confrontá-los.

Enquanto 1984 era ostensivamente sobre se você poderia escapar do seu passado e quem (se alguém) pode receber a redenção, a exploração dessas perguntas pareceu apressada e semi-pronta, polvilhada por todo um conjunto estofado, em vez de fornecer uma verdadeira pista narrativa para os espectadores. Brooke ( Emma Roberts ) estava claramente posicionada como a “garota final” da temporada desde o início, mas até o final da temporada muitos estavam indiferentes quanto à sua sobrevivência. Isso porque a história frágil de Brooke nunca foi realmente usada para nos ensinar algo profundo sobre essa jovem supostamente interessante. Quando Brooke fez seu grande discurso final , um momento que deveria ter sinalizado um enorme triunfo sobre seu trauma, parecia mais uma tentativa de justificar o enredo do que o arco final de um herói, já que nunca conhecemos Brooke por baixo de sua boa garota. superfície levemente ruim.

 

 

Embora Brooke tenha sobrevivido à temporada, foram os finais felizes de Jingles e Donna (a segunda garota final da temporada, em uma bela reviravolta) que deram o soco mais emocional. Isso se deve em parte às performances de destaque de Angelica Ross e John Carroll Lynch, mas também porque eles foram dois dos únicos personagens que tiveram permissão para evoluir além de seus arquétipos de slasher. O medo de Donna de herdar o mal de seu pai e as coisas que ela estava disposta a fazer para descobrir a verdade lhe deram textura, fornecendo aos telespectadores uma razão para simpatizar com ela, apesar de todas as coisas ruins que ela fez. A descoberta do Sr. Jingles de que ele não era um assassino antes de Donna libertá-lo em 1984– e a culpa que ele carregou pela morte de seu irmão mais novo – o transformou em uma figura trágica que você não pode deixar de torcer, apesar do fato de ele ter assassinado vários conselheiros. Se 1984 tivesse estreitado seu foco narrativo para mergulhar profundamente nos traumas pessoais de Donna ou Jingles, poderia ter aumentado esta temporada além de apenas uma série divertida de referências e fios entrelaçados no que foi, sim, uma temporada divertida, mas, no final, não muito memorável.

American Horror Story sempre foi capaz, mesmo nas épocas com pouco brilho, de lidar com medos ou dores universais de maneiras interessantes e divertidas. E sem esse aspecto para fornecer o peso emocional necessário, 1984 deixou-se contar com a nostalgia e o valor do choque. Foi bem sucedido quando se tratou do primeiro, proporcionando tantos bons momentos para os fãs de slasher ou para aqueles que têm idade suficiente para se lembrar dos anos 80, mas o valor do choque deixou o público querendo mais. Além de alguns momentos genuinamente assustadores e terríveis, 1984 foi amplamente previsível. Era uma carta de amor bem feita para os assassinos dos anos 80, e uma maneira divertida de passar nove horas, mas faltou aquele WoW!!! que nós apenas testemunhamos em vários momentos em outras temporadas de AHS, momentos de cair o queixo, que torna American Horror Story tão especial.

 


 

Inscreva-se no canal do Teoria Geek no Youtube e nos acompanhe também nas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.