Oi gente! Eu faço parte da seção de games, mas deixa eu contar pra vocês o motivo de eu ter me aventurado a invadir a seção de literatura. Eu estou tonta! Não bêbada, mas tonta. Eu moro no sul, o tempo esfriou, então minha mãe teve a brilhante ideia de aprender a fazer quentão. E quentão meus caros leitores, é uma delícia! Mas pra quem bebe só lá uma vez ou outra socialmente, minha resistência ao álcool é inexistente. Então, cá estou, tonta e sem poder jogar videogame, após beber uma canequinha de 200ml. (Domingo – 20:20:24)

Então, sem mais delongas, vou falar sobre meu último companheiro de cabeceira. Um livro incrível da Lori GottliebTalvez você deva conversar com alguém.

Talvez você deva conversar com alguém - Capa
Ficha Técnica
Autor: Lori Gottlieb
Editora: Vestígio
Ano de lançamento: 2020
Sinopse: De modo geral, buscamos a ajuda de um terapeuta para melhor compreender as angústias, os medos, a culpa ou quaisquer outros sentimentos que nos causam desconforto e sofrimento. Mas quantos de nós já paramos para perguntar: o terapeuta está imune à gama de questões que ele auxilia seus pacientes a dirimir e superar, dia após dia? A autora best-seller e terapeuta Lori Gottlieb nos mostra que a resposta a essa pergunta traz revelações surpreendentes.

Quando ela se vê emocionalmente incapaz de gerenciar uma situação que perturba sua vida, uma amiga lhe faz uma sugestão: talvez você deva conversar com alguém.

Combinando histórias reunidas a partir de sua rica trajetória como terapeuta (distribuídas entre quatro personagens inesquecíveis) à sua própria experiência como paciente, Lori nos oferece um relato afetuoso, leve e comovente sobre a universalidade de nossas perguntas e ansiedades, e joga luz sobre o que há de mais misterioso em nós, afirmando nossa capacidade de mudar nossas vidas.

Uma jornada emocionante de autodescoberta, uma homenagem à natureza humana e um lembrete sobre a importância de sermos ouvidos, mas também de sabermos ouvir. Um livro sobre a importância dos encontros, dos afetos e da coragem de todos os que partimos para a aventura do autoconhecimento.

 

Antes de mais nada, é bom você entender o motivo de eu ter comprado esse livro. Não, eu não precisava conversar com alguém! Mas uma parte de mim sempre teve vontade de estudar psicologia e poder compreender mais as pessoas e a mim mesma. Então lá estava eu vagando pela Amazon procurando um livro sobre psicologia com nomes renomados como Freud e Carl Jung, quando me deparo com essa linda capa amarela. Amarelo não é uma cor linda? To numa fase de amarelo e bom, cliquei lá. Após algumas avaliações da sinopse, dos comentários e de um monte de gente reclamando sobre capas rasgadas – minha edição está perfeita por sinal – resolvi comprar.

Que livro incrível!

Comprar “Talvez você deva conversar com alguém” foi uma das melhores decisões que tomei na minha vida. Ele não é um livro chato, pois conta uma história. Mas ao mesmo tempo te ensina sobre a vida com relatos quase reais e que vão de fato te ensinar algo – eu disse quase porque a Lori (a autora) está contando sua própria trajetória como terapeuta aqui, então obviamente os pacientes não poderiam ter seus nomes revelados.

Além da história da Lori e seu próprio terapeuta, contamos também com 4 pacientes – da Lori – incríveis que vão apresentar seus problemas e nos mostrar que não importa a situação em que estejamos, podemos mudar o rumo de nossas vidas. De certa maneira, me apaixonei mais pelos pacientes do que pela autora, porém como é ela quem ajuda todos durante muitas sessões de 50 minutos, tem meu respeito.

A maioria das coisas que valem a pena ser feitas são difíceis’, ele retrucou. Disse isso não de uma maneira simplista, mas num tom e com uma expressão que me levou a pensar que falava por experiência própria. Acrescentou que, embora todos queiram sair de cada sessão sentindo-se melhor, eu, mais do que ninguém, deveria saber que nem sempre é assim que a terapia funciona. Se quisesse me sentir melhor a curto prazo, ele disse, poderia comer uma fatia de bolo. Mas seu trabalho não era de gratificação a curto prazo.

Personagens cativantes

Lori, possui um escritório no qual atende pacientes em sessões de 50 minutos, e nesse livro conhecemos parte da vida de quatro deles. O personagem que mais gostei, foi o mais babaca de todos “John” – a propósito, se alguém descobrir quem ele é na vida real, por favor me avise, se ele for mesmo responsável por uma série de TV famosa, eu preciso saber qual é. John, assim como todos os outros personagens, vão te fazer rir, chorar e claro, você vai poder acompanhar o desenvolvimento de todos eles e ver o quanto a terapia os ajudou.

São personagens bem distintos com problemas muito diferentes:

  • Insônia.
  • Suicídio marcado para daqui um ano.
  • Problemas com bebidas.
  • Diagnóstico: Câncer.
  • E o mais clichê de todos: Por que meu namorado me deixou?

Lembrei-me de um desenho animado clássico’, ele começa, ‘de um prisioneiro balançando as grades, tentando desesperadamente escapar… Mas à sua direita e à esquerda, a cela está aberta, não há grades’. Ele faz uma pausa, deixando que a imagem fique clara. ‘O prisioneiro só precisa dar a volta, mas mesmo assim, ele balança freneticamente as grades. Isso acontece com a maioria de nós. Sentimo-nos completamente empacados, presos em nossas celas emocionais, mas existe uma saída… Desde que estejamos dispostos a vê-la.’ Ele deixa que essa parte permaneça entre nós. Desde que estejamos dispostos a vê-la. Gesticula para uma cela de prisão imaginária, convidando-me a vê-la.

Uma terapeuta, o terapeuta dela e a vida de todos nós

Mas será que um terapeuta não poderia utilizar seus próprios conhecimentos para se automedicar em seus problemas? Bom, não funciona assim e esse é o motivo para esse livro ser muito adorado entre os próprios terapeutas. “Talvez você deva conversar com alguém” nos mostra que até mesmo psicólogos precisam de terapia, pois é necessário um autoconhecimento que não podemos obter sozinhos, é preciso alguém de fora para fazer você enxergar a si mesmo.

Muitos podem achar que o terapeuta é aquele que vai te dar a solução dos seus problemas, sabe como é… Decidir por você. Mas não é bem assim, o que acontece é que ele te ajuda no panorama da situação e auxilia a mudá-la de uma forma positiva. No entanto, quando o dia acaba, somos nós que precisamos assumir o volante e mudar de direção.

Talvez você deva conversar com alguém

No fim do livro sua vida estará mudada. É sério! Eu descobri que certamente essa não seria a profissão adequada pra mim, lidar com pessoas com atitudes empacadas e não poder dar um chute nas canelas depois de escutar tanta lorota é realmente desafiador. Porém, não quer dizer que eu não queira ir conhecer um. Pois então, depois de todas essas mais de 400 páginas de leitura cheguei a conclusão que estabelecer uma conexão com um terapeuta, é uma experiência incrível.

Conexão? Simmmm! Pense comigo, é uma pessoa que conhecerá você, o verdadeiro você! Vai te ajudar a se conhecer, e além de tudo, te tornar a melhor versão que poderia ser. Então mesmo sem ter algum problema sério para resolver, talvez se permitir uma aventura dessas em nossa própria mente e emoções, possa trazer resultados significativos e melhorar nossas vidas. Mas cá entre nós, compre esse livro, e descubra por si só porque tantas pessoas o acham tão bom.

Lori Gottlieb — The Power of Getting to *Unknow* Yourself (#415) – The Blog of Author Tim Ferriss

Sobre a autora

Além de sua prática clínica como terapeuta, Lori Gottlieb escreve a coluna semanal de conselhos “Caro terapeuta”, da revista The Atlantic, e contribui regularmente com o New York Times e muitas outras publicações. Já escreveu centenas de artigos relacionados a psicologia e cultura, muitos dos quais se tornaram sensações na internet. É uma especialista requisitada com frequência por mídias como The Today Show, Good Morning America, The CBS Early Show, CNN e NPR.

Você pode comprar esse livro pela Amazon.