99 Quase Contos – Contundente, direto e envolvente

-Ficha Técnica:

  • Autor: Roger Monteiro
  • Editora: HorrorVacuo
  • Ano de Lançamento: Agosto 2020
  • Sinopse:  99 Quase Contos: 39_ Carrego na fronte a coroa de espinhos das minhas inconsistências. Elas sangram, me embotam a vista, tingem de vermelho tudo que é puro e belo. Imperfeito. Escória. Sou tóxico. Repugnante em minhas certezas. Inaceitável em minhas dúvidas. Inadequado em minhas paixões. No campo de batalha de tudo aquilo que é contraditório, sou o agente duplo, traidor da pátria, o inimigo na trincheira. Eu sou a mão esquerda de Deus. O que há de melhor em mim é vil. Eu semeio a peste. Minha carícia arruína. Meu beijo apodrece. Meu amor exaure. Pertenço ao lodo. Eu pertenço ao pó. E pertenço ao nada

99 Quase Contos


99 Quase Contos

O autor Roger Monteiro, em 99 Quase Contos nos apresenta uma obra direta, moderna, contundente e principalmente cheia de cotidiano, comum, iguinoravél e muitas das vezes difícil de digerir. Uma obra obra que nos mostra o que nos rodeia no dia-a-dia, e que em muitas vezes, nós mesmos somos os protagonistas, mesmo que de maneira inconsciente.

Ademais, Roger Monteiro nos apresenta diversos personagens, todos eles em narrativas curtas, pequenos contos que não nos roubam muito tempo na leitura, mas nos deixam frente a frente com a frieza e indelicadeza das pessoas do mundo. 99 Quase Contos em muitos momentos se parece uma obra curta, algo como um livro de frases, mas se você se deixar levar, ele consegue ser tão profundo, como o melhor livro que você já leu.

Todos os contos nos parecem com começo, meio e fim, mas com o passar das paginas, percebemos que isso não é uma regra, e acaba por se tornar uma exceção, por exemplo.

99 Quase Contos é um livro que do inicio ao fim vai lhe surpreender, principalmente pelo fato de ele ser contundentemente, na maio parte de seus contos, uma obra que retrata nossa sociedade. Ademais, não se assuste, se em algum momento, visceral, inquieto, incessível e totalmente mundano, algum trecho lhe lembrar algum dia passado em sua vida.

O pretexto era tão pretexto quanto um pretexto poderia ser. Mas pretextos não bastavam. Ela queria a verdade crua, e ela, nua. Não da nudez fetiche, da nudez banal. Ele precisava de algo mais imoral, mais torpe, mais perverso. Ele precisava amá-la.

O texto acima mostra um pouco do que o livro pode lhe oferecer, com textos curtos, cheio de segundas intenções. O autor nos mostra tanto o lado belo das coisas, mas também que até o lado belo, pode conter sentimentos mais incomuns, ou comuns, nos dias de hoje, por exemplo.


Sobre o Livro

Ademais, o livro 99 Quase Vidas tem 208 paginas e foi lançado pela editora HorrorVacuo, que vale ressaltar, ser de propriedade do próprio autor. Você pode estar adquirindo o livro na Amazon.

99 Quase contos 2


O Autor

Roger Monteiro nasceu na Porto Alegre do final dos anos 70. É designer gráfico, artista plástico, fotógrafo e roteirista, não necessariamente nessa ordem. Define a si mesmo como um provocador profissional.

Acredita no rock’n’roll e desconfia que, quando está 100% certo a respeito de algo, não está fazendo o seu trabalho direito. É casado com Olívia. Pilota uma motocicleta velha chamada Lady Luck. Em 2018, lançou com Felipe Basso “Junho, Fragmentos de uma Revolução Flashmob” (HorrorVacuo).

É um dos autores de “Desconstruindo Marcas” (Entrementes Editorial, 2012, 68 págs.). Roteirizou diversos curtas-metragens, entre eles o premiado “Kassandra” (2013) que também deu origem à graphic novel “Kassandra – Versos do Silêncio e da Loucura” (Independente, 2014, 39 págs.).

Nas artes plásticas, “Porn?No.Graphics” (2014) e “Mutabilis” (2020) são alguns dos títulos de suas exposições individuais.


Resumo

Em resumo, 99 Quase Vidas é um livro de extremos, que mostra de maneira crua o cotidiano das pessoas, em muitas das vezes de maneira direta e inesperada. O livro não é longo, e pode ser lido em doses, pois não conta uma historia continua.

Nota 8