Após descobrirem um roteador WiFi no fliperama, e motivados a encontrar uma peça reserva que irá salvar o videogame Corrida Doce, Ralph e Vanellope partem para mais uma aventura, desta vez no desconhecido e empolgante mundo da internet.

Com um visual grandioso e futurista, a internet é mostrada como uma cidade caoticamente organizada, o que da a sensação de estarmos em um grande centro comercial. Os internautas viajam entre grandiosos prédios que representam sites primordiais da internet como o Facebook, eBay, Instagram e o Google.

Um dos pontos principais abordados pela trama é a relação de amizade entre Ralph e Vanellope. Através de uma narrativa leve, o filme consegue divertir e ao mesmo tempo construir uma relação sólida de amizade entre os personagens ao mostrar que é algo frágil e que precisa ser cultivado. Ademais, a trama soube tratar de forma madura ao abordar situações como a insegurança e o sentimento de possessão, que são intrínsecos a este tipo de relacionamento.

Ao desbravarem o mágico mundo da internet, Ralph e Vanellope vivenciam situações cotidianas deste universo, o que gera uma sensação de identificação por meio do publico, como por exemplo, a infinidade de informações disponíveis e as distrações que são pertinentes neste meio, como os anúncios e os pop-ups. E é justamente criando essa sensação de identificação que a trama consegue o humor, satirizando situações pertinentes a quem é usuário desta rede virtual.

Em um site análogo ao youtube, Ralph encontra uma forma rápida e fácil de ganhar dinheiro, se expondo ao ridículo por meio de vídeos completamente imbecis. Dessa forma, o filme faz uma crítica direta ao que as pessoas se sujeitam para conseguir fama na internet, e também ao tempo em que outras perdem viralizando conteúdos totalmente banais. Neste mesmo contexto, o longa cria uma reflexão através do contraste entre a euforia do personagem ao gravar os vídeos e a tristeza quando se depara com comentários maldosos e ódio gratuito que recebe nos comentários.

Embora o filme seja extremamente carismático com mensagens voltadas para adultos e crianças, o roteiro é falho e apresenta ideias mal desenvolvidas. Se melhor trabalhadas, poderiam dar espaço a uma jornada mais interessante e ampla, já que a ideia principal da narrativa de levar os personagens a um ambiente ainda não explorado é boa e tem um grande potencial, entretanto quando termina o filme, é inevitável a sensação de que podiam ter imergido mais neste universo que é tão vasto e tem muito a explorar.

Um dos maiores acertos do longa é com certeza a profusão de homenagens e citações ao longo do filme, que é impressionante. Vale destacar a cena em que Vanellope cai no site Oh my Disney, página onde ficam concentrados os mais relevantes personagens da empresa. O filme conta com a participação de personagens icônicos de franquias como Star Wars e do universo estendido Marvel, além da presença das clássicas princesas, que interagem entre si de forma sutil e natural, ponto onde o filme extrai seus melhores momentos.

Em resumo, Wifi Ralph – Quebrando a Internet é um filme visualmente deslumbrante com mensagens e reflexões inspiradoras para adultos e crianças, porém com uma trama que não soube aproveitar todo seu potencial, mas que mesmo assim diverte com piadas inspiradoras e lições sobre amizade.

E só lembrando que o filme tem duas cenas pós créditos e uma delas envolve Frozen 2, então vale a pena ficar até o final.

Ficha técnica:

Titulo original: Ralph Breaks the Internet – Wreck it Ralph 2

Distribuidor: Disney

Data de lançamento: 03 de janeiro de 2019 

Duração: 130 min

Direção: Phil Johnston, Rich Moore

Elenco:John C. Reilly, Sarah Silverman, Gal Gadot, Taraji P. Henson, Jack McBrayer, Jane Lynch, Alan Tudyk

Gênero: Animação, Aventura

Nacionalidade: EUA

Classificação: Livre