VENOM: Como um filme pode ser ruim e legal ao mesmo tempo? Quando se trata do polêmico Anti-herói, não podia ser diferente! Apesar de fugir bastante do “cânone” de sua estória de origem, o filme consegue divertir sem compromisso.

Data de lançamento: 4 de outubro de 2018 (1h 52min)
Direção: Ruben Fleischer
Elenco: Tom Hardy, Michelle Williams, Riz Ahmed mais
Gêneros: Ficção científica, Ação
Nacionalidade: EUA

  • Sinopse: A Cidade é San Francisco, Estados Unidos. Eddie Brock (Tom Hardy) é um jornalista investigativo, que tem um quadro próprio em uma emissora local. Um dia, ele é escalado para entrevistar Carlton Drake (Riz Ahmed), o criador da Fundação Vida, que tem investido bastante em missões espaciais de forma a encontrar possíveis usos medicinais para a humanidade. Após acessar um documento sigiloso enviado à sua namorada, a advogada Anne Weying (Michelle Williams), Brock descobre que Drake tem feito experimentos científicos em humanos. Ele resolve denunciar esta situação durante a entrevista, o que faz com que seja demitido. Seis meses depois, o ainda desempregado Brock é procurado pela dra. Dora Skirth (Jenny Slate) com uma denúncia: Drake estaria usando simbiontes alienígenas em testes com humanos, muitos deles mortos como cobaias.

O filme começa bem. A montagem e o roteiro são ágeis e não perdem tempo ao apresentar o protagonista. Diálogos rápidos e pouco expositivos são colocados em cena em situações prováveis e bem aproveitados. E, embora haja certo exagero na construção de Eddie Brock, neste quesito o filme não decepciona. Sobre a estória, Definitivamente não foi feita pra agradar os fãs mais tradicionais, Também não há nenhuma intenção em vincular o filme ao universo do homem aranha da MCU por exemplo. A montagem e roteiro são responsáveis pelo desastre narrativo que toma conta do filme a partir da metade do segundo ato mas que se recupera no final(como disse o filme começa bem). Entre decisões motivadas por estupidez (dos personagens) e exageros para forçar uma coincidência, tudo o que acontece tem uma origem tão improvável que fica difícil se apegar de alguma maneira com o que está sendo exibido, O “RIOT” por exemplo um inimigo clássico do “Aranhaverso” ou “Venomverso” como preferir chamar, teve pouquíssimo tempo de tela e foi mal aproveitado, mesmo sendo ele o inimigo mais poderoso do filme.

Origem do Venom (Quadrinhos): A origem do simbionte alienígena foi mostrada no evento intitulado Guerras Secretas, quando o simbionte é trazido pra terra e possui o “uniforme” usado pelo próprio Homem-Aranha (que então não sabia que este era uma criatura viva). O “uniforme”, totalmente negro e com propriedades regenerativas e adaptativas aumentava as habilidades de Peter Parker, mas também potencializava sua agressividade. Assim, ao descobrir a real natureza de seu “uniforme”, o Homem-Aranha livrou-se do alienígena (ao, inadvertidamente, ser beneficiado pela fraqueza a ondas sonoras do simbionte). Mais tarde, o simbionte acabou caindo sobre Eddie Brock, um jornalista fracassado do Clarim Diário, que culpava o herói aracnídeo pela sua ruína. Sentindo o ódio de Brock por seu inimigo, o simbionte ligou-se ao seu corpo, formando um ser de mente composta chamado Venom. Um ser com um único objetivo: matar o Homem-Aranha.

A primeira aparição cronológica do Traje Preto aconteceu na oitava edição de Guerras Secretas em dezembro de 1984 Contudo, a primeira vez em que o traje foi publicado foi na edição 252 de Amazing Spider-Man, de maio do mesmo ano. Brock havia escrito a biografia de um homem que dizia ser o vilão Devorador de Pecados, e a notícia foi um sucesso para o seu jornal, o Clarim Diário. Mas pouco depois o Homem-Aranha derrotou o verdadeiro vilão e sem querer provou que a reportagem de Eddie não passava de histórias imaginárias de um doente mental. Com isso, o Clarín Diário foi ridicularizado e Eddie despedido.

A partir de então, Eddie apenas pensava em se vingar do herói, porém sendo um humano comum não teria chances contra o herói aracnídeo. Depois de tudo pensou em suicidar-se, mas suicídio seria um pecado inaceitável para ele, um homem católico. Revelou que seu corpo musculoso foi adquirido porque exercícios físicos o ajudariam a diminuir o stress. E quando Eddie estava rezando para obter paz na Catedral da Virgem Maria, em Manhattan, que curiosamente foi o mesmo local da separação de Peter Parker com o Simbionte, o alienígena uniu-se a Brock, acabando com sua angústia, dando-lhe quase todos os poderes do Homem-Aranha e lhe contando a identidade secreta do herói. Assim nasceu Venom. O Simbionte Alienígena deu à Eddie Brock poderes similares aos do Homem-Aranha, como força, resistência, agilidade e reflexos ampliados (porém, de forma ampliada). Além disso, o vilão possui a capacidade de lançar teias orgânicas, fator de cura acelerada e imunidade ao “sentido de aranha” de Peter Parker. Além disso, o vilão tem também capacidade trans mórfica limitada, graças às características do simbionte.

A origem do Venom (Filme): As únicas coisas que a origem do filme “coincide” com a estória original é que o simbionte vem do espaço e que o seu hospedeiro permanente é Eddie Brock (E só!). Mas onde o Homem aranha entra nisso? não entra! em nenhum momento do filme ha alguma citação ou “easter egg” que nos dê alguma referência ao nosso querido aracnídeo (Que pra mim é imperdoável).  No inicio do filme Eddie Brock não é aquele sujeito fracassado com caráter duvidoso como nos quadrinhos, muito pelo contrário, ele é um cara legal, Um repórter bem sucedido, apresentador de um programa investigativo, namorado da bela e também bem sucedida Advogada Anne (Michelle Williams). A coisa desanda quando Brock ao tentar expôr experimentos ilegais com seres humanos na “Fundação Vida”, baseando-se em informações confidencias armazenadas no computador de sua namorada Anne (Que trabalha como advogada na fundação vida) chefiada pelo vilão do filme Carlon Drake (Riz Ahmed), que assim que descobre a ligação entre Anne e Brock decide demiti-la. A partir dai, Brock perde a namorada, o emprego e o apartamento. Passado algum tempo, Brock continua na pior, até que é abordado pela Dra. Dora Skirth (Jenny Slate) que apavorada após assistir diversas experiências com humanos e simbiontes malsucedidas na fundação vida, resolve procurar Brock para denunciar os experimentos, Que depois de alguma insistência Brock resolve acompanha-la até a empresa para coletar provas onde ele acaba possuído pelo simbionte Venom. Neste momento em diante, o filme melhora. Tom Hardy faz uma composição interessante ao contrapor o homem frustrado e a entidade agressiva e seu jeito de falar atrapalhado, olhar perdido e gags físicas cômicas ficam entre as melhores coisas do filme. É interessante como o personagem principal por grande parte do tempo não sente a mínima vontade de encarnar a identidade secreta do título, ainda mais em momentos que ele serve apenas como espectador passivo enquanto o simbionte transgride todos os limites humanos e da lei, deixando o Eddie Brock em segundo plano, principalmente nas cenas de fuga e lutas.

OBS: O filme tem duas cenas pós créditos muito boas, porém, importante mesmo é a primeira cena.

Minha opinião: Se você gosta de um bom filme de ação com um bom humor, É uma boa pedida! mas se você é um fã do universo do homem aranha, que acompanha as aventuras do Venom desde sua criação, não vá ver o filme com muitas expectativas, pois se decepcionara, lembra como comecei esta resenha? “Como um filme pode ser ruim e legal ao mesmo tempo?”. Venom é um filme que me despertou diversas reações: Hora gostava, Hora não gostava… mas acabei achando o resultado positivo.

Encare Venom como uma realidade alternativa, já que a origem do personagem foi bem modificada e isso foi algo que não me agradou! Dou como exemplo a versão da origem do Simbionte do diretor Sam Raimi que foi para o cinema em 2007 no filme “Homem Aranha 3” que foi bem fiel as origens dos quadrinhos, Inclusive não achei o filme tão ruim como foi rotulado (Tirando a dancinha do Peter Parker Emo lógico).

Então, se você pretende ir assistir Venom, vá pela diversão, porque isso o filme sabe fazer.

Minha nota: 06/10

Ficha técnica:

País: Estados Unidos
Ano: 2018
Direção: Ruben Fleischer
Produção Avi Arad
Matt Tolmach
Amy Pascal
Roteiro: Scott Rosenberg
Jeff Pinkner
Kelly Marcel
Will Beall
Baseado em: Protetor Letal
e Planet of the Symbiotes
por David Michelinie
Elenco: Tom Hardy
Michelle Williams
Riz Ahmed
Jenny Slate
Reid Scott
Scott Haze
Gênero: Ação
Ficção científica
Suspense
Aventura
Companhia(s) produtora(s): Columbia Pictures
Marvel Entertainment
Arad Productions
Matt Tolmach Productions
Pascal Pictures
Distribuição: Sony Pictures Releasing
Lançamento:
Brasil Portugal 4 de outubro de 2018
Estados Unidos 5 de outubro de 2018
Idioma: Inglês
Orçamento: US$ 100 milhões

Trailer:

//youtu.be/NuYgCOvs4eU