Tick, Tick… Boom! é um musical da Netflix que conta a história de um personagem real. Sua primeira hora de filme é bem cansativa se tornando até desgastante. Mas isso muda durante a segunda hora do enredo que passa a conseguir entreter mais o espectador. O elenco é ótimo e Andrew Garfield deu um incrível show de atuação no papel principal.

Tick, Tick... Boom! Pôster
Ficha Técnica
Título: Tick, Tick… Boom!
Ano de Produção: 2021
Dirigido Por: Lin-Manuel Miranda
Estreia: 12/11/2021
Duração: 2 horas e 2 minutos
Classificação: 14 anos
Gênero: Biografia, drama, musical
País de Origem: Estados Unidos
Sinopse: O filme conta a história do compositor Jonathan Larson. Em 1990, ele está tentando compor um música para finalizar seu musical Suburbia, que tinha o sonho de ir para Broadway.

Do começo

Tick, Tick… Boom! começa com uma narração feminina, mas logo em seguida vai para a narração de Andrew Garfield que está interpretando o compositor Jonathan Larson. Ele então começa a narrar sua história a partir de 26 de janeiro de 1990, tudo para ele virava música e ele queria ter um musical seu na Broadway. Mas enquanto ele não conseguia realizar seu sonho ele trabalhava em um restaurante.

Andrew Garfield como Jonathan Larson
Reprodução/Netflix

John já havia passado os últimos oito anos escrevendo e reescrevendo a sua “obra-prima”. Só que ele estava à beira dos 30 e não havia conseguido nada. Mas vida que segue. Susan (Alexandra Shipp) é a namorada do protagonista que também tem sua própria história com a música. Mas no caso ela é da dança moderna, e quando estava prestes a conseguir a chance da sua vida ela fraturou o tornozelo. Mesmo assim não desistiu porque como dito no filme, para ela não tinha diferença entre danças para cinco pessoas ou cinco mil pessoas.

O protagonista também tem um fiel amigo, Michael (Robin de Jesús). Michael vai para Nova York atrás do sonho de ser ator, porém, o plano não dá muito certo e ele acaba indo trabalhar em um escritório. Apesar de não realizar seu grande sonho, ele tem uma carreira segura que consegue dar um teto bom para ele, e isso é frisado no filme.

O ponto

Enfim, o tal musical que John trabalha há alguns bons anos é Suburbia, porém quem já o avaliou aponta que falta uma música para seu desfecho. E essa música é o que vem mexendo com o protagonista que quebra a cabeça por conseguir transformar qualquer coisa em música, mas não consegue uma para seu próprio musical. Para ajudar com toda a situação que já não era fácil a namorada dele vai se mudar e quer que ele vá junto.

Assim, temos o ponto ou os pontos que vão mover e enredar a trama. Ele vai fazer uma apresentação de seu musical para grandes nomes da área e essa pode ser sua grande chance, mas ele não tem a música que tanto necessita. Ao mesmo tempo, a namorada vai se mudar e precisa conversar com ele para que eles possam acertar como tudo vai ficar. Só que ele não “consegue” tirar um tempo para ela pois seu foco está em outro lugar.

Cena de Tick, Tick... Boom!
Reprodução/Netflix

Seu melhor amigo, Michael, também tenta a todo custo ajudar. Oferece chance de emprego, faz propaganda do lugar onde trabalha, arruma até um bico para John. Mas o protagonista está bem mais interessado em seguir seu sonho e assim o filme segue com músicas, problemas e soluções. Ao mesmo tempo que ganha altas doses de drama.

Pontos negativos

Sou uma fã declarada de musicais, e estava bem ansiosa para esse, até porque eu também adoro os trabalhos do Andrew Garfield. Porém, como disse lá em cima, a primeira hora do filme é extremamente cansativa e faz com que o público se distraia facilmente. Existem outros filmes musicais baseados em personalidades reais que te fisgam a todo momento. Infelizmente, não é o caso de Tick, Tick… Boom!.

Outra coisa que me incomodou foi que eu não consegui me apegar a nenhum dos personagens ao longo da trama. Sim, fiquei com dó e triste em alguns momentos, até surpresa, mas apego por algum deles? Não consegui criar. Também existem coisas que parecem que apenas foram jogadas lá e deixadas de lado, só lembraram mais tarde que aquilo existia e colocaram algo referente.

Por se basear em fatos reais acho que poderiam ter focado um pouco mais nas relações do protagonista com as pessoas a sua volta. Em mais de um momento ele parece uma pessoa extremamente insensível. Tem personagens que parecem que vão ter certa importância, mas o mesmo não acontece.

Pontos positivos

Achei interessante o papel de Vanessa Hudgens na produção. Como fã de anos de High School Musical eu esperava um papel de grande importância para ela nesse filme, não é o que acontece. Mas isso é algo interessante de se ver e não acho que foi um talento desperdiçado, acho que mostra que grandes e conhecidos atores podem contribuir para uma produção mesmo não sendo os protagonistas e recebendo grande parte do brilho.

Também gostei das músicas e de como elas se encaixam na cena e colaboram com a dramatização por trás de tudo. Toda a encenação dos atores, os figurinos, cenários e ambientações também são ótimos. E como falei depois da primeira hora de filme a história tem uma grande melhora e isso acaba por ser positivo. Afinal, poderia ser um filme de duas horas todo cansativo.

Agora algo que acho um ponto positivo foi o gato. Eu adorei as pequenas cenas em que o gato é mostrado fazendo coisas de gato. Porém, isso poderia entrar como ponto negativo, afinal o gato é citado logo no início dando a impressão de que vai aparecer mais. Porém, ele mal aparece, mas quando dá as caras o felino rouba a cena.

Opinião

Tick, Tick… Boom! não é um filme que eu recomendaria para qualquer um. É importante a pessoa ter certa conexão ou já conhecer como funcionam esses filmes biográficos e também ter certa afinidade com musicais. Diria que ele é um filme bem nichado e por mais que melhore muito em sua segunda hora, quem for muito de fora do nicho não vai concordar.

Para mais resenhas como essa é só clicar aqui.

Teoria Geek – O importante é se divertir