O roteiro de Run (Fuja) é daqueles suspenses para poder se desligar do mundo e se conectar com a história, sendo um filme original da plataforma Hulu, estreou no dia 02 de abril na Netflix no Brasil.

Poster Run Netflix
Ficha Técnica
Título: Run
Ano de Produção: 2020
Dirigido Por: Aneesh Chaganty
Estreia: 02 de abril 2021
Duração: 1h 29min
Classificação: 16 anos
Gênero: Suspense
País de Origem: EUA
Sinopse: O filme Run mostra o relacionamento entre mãe e filha, sendo uma mãe extremamente protetora e uma filha adolescente que possui diversas dificuldades de saúde, inclusive a necessidade de uso de cadeira de rodas, mas e se nem tudo for o que parece?

 

Sobre o filme:

Com um elenco pequeno, conta com a renomada atriz Sarah Paulson como a mãe Diane Sherman e a atriz Kiera Allen como a filha adolescente Chloe Sherman.

O roteiro traz a mãe zelosa que cuida da filha e elas enfrentam várias dificuldades, inclusive a menina utiliza cadeira de rodas, mas e se nem tudo for o que parece?

Chloe e Diane

Devido inúmeros problemas de saúde, Chloe toma diversos remédios, conhece o mundo através dos olhos de Diane, e além de tudo, vive isolada.

Para algumas pessoas a adolescência pode ser considerada uma fase conturbada, onde tudo toma proporções exageradas e a busca da liberdade fica mais intensa.

Agora imagina para Chloe que é educada em casa e se esforça para ser independente, mas começa a suspeitar que sua mãe possa esconder segredos sombrios…

Confesso que assisti ao filme por Sarah Paulson ser uma das protagonistas, pois sou fã dela desde American Horror Story e Ratched!

Sobre o roteiro:

Fiquei ligada o filme todo, foram 1h e 30m passando nervoso e raiva, mas acima de tudo, contemplando as ótimas atuações da Sarah e da Kiera!

Com um roteiro agonizante, sendo terror psicológico e com toques cruéis de realidade, presenciamos um plot twist nessa relação e conectamos ainda mais com as personagens, despertando emoções.

É possível ver ao longo das filmagens planos sequência que acompanha as ações das personagens e com enquadramentos mais fechados.

Também temos alternância entre ritmos de filmagem, como por exemplo um ritmo lento quando uma das personagens acaba tendo que fugir de situações específicas.

O recurso da câmera lenta é utilizado em cenas sendo em uma farmácia e outra no telhado da casa, aliás, que cenas incríveis!

Vemos o desespero na entrega da atuação da atriz Kiera para, acima de tudo, mostrar uma cadeirante em fuga.

Em uma cena desesperadora ela pede socorro, mas ninguém a percebe, o que deixa tudo no limite máximo.

Cada ação consegue se conectar com as fases seguintes do roteiro, assim tudo se conectando e gerando a curiosidade até o fim.

Apesar de não curtir totalmente a história, fui surpreendida com esse roteiro e claro com as atuações da incrível Sarah Paulson e Kiera Allen! Enfim, a Netflix acertou em apostar nesse suspense!