Começando a falar de forma particular, eu tenho certo encanto por personagens que são extraordinários em alguns aspectos. E quando assisti O Contador, confesso que fiquei me pergunto sobre o porquê esse filme não ter sido tão comentado quanto muitos outros que não são tão bons assim, em 2016 foram. Até pensei na possibilidade de ter ficado escondido pelas sombras do Batman vs Superman: A Origem da Justiça, já que o papel principal é interpretado pelo Batman mais repercutido de todas versões.

Que o Ben Affleck é um grande ator de sucesso não podemos negar, mas o papel que interpreta nesse filme como o Christian Wolf – na maioria das vezes, claro – chega a ser bem impressionante. O seu enredo se passa sobre a história de um contador, que aparentemente é um simples contador para as pessoas comuns, com um dom extremo de inteligência. Logo no começo entendemos bem o porquê de de certas atitudes para com as pessoas e sua forma de falar direta e intrínseca.

Chega a ser bem delicado dar mais detalhes sobre o que vai acontecendo no decorrer da trama, pois cada detalhe que compõe suas cenas são boas demais. O motivo de termos vermos um intelecto bem avançado com os números e demais características no Chris – ALERTA DE SPOILERS –, é que possui um tipo funcional  autismo. E seu pai, que era militar e trabalhava nas operações psicológicas, com medo de que as pessoas se aproveitassem disso, o treinou com especialistas durante sua infância.

Ou seja, não espere assistir esse filme achando que vai ter algum sentimento de lamento ou coisa assim. Pra ser bem sincera, sobre muitos personagens inteligentes que já me encantei – e lhe garanto ter visto muitos mesmo –, assistir O Contador foi encontrar um dos melhores da minha vida. Não é por gostar bem desses pontos no cinema, mas o Gavin O’Connor soube perfeitamente a quem direcionar esse papel. Se já foi criado pensando no Ben, muito bom, se não foi, esse foi um verdadeiro tiro de “contador”.

//www.youtube.com/watch?v=AP3fTyPoxgQ