RESENHA | Filme: Homem-Aranha Sem Volta Para Casa, sem spoilers

Ficha Técnica
Título: Homem-Aranha Sem Volta Para Casa
Ano de Produção: 2021
Dirigido Por: Jon Watts
Estreia: 16 de dezembro de 2021
Duração: 2h 30 min
Classificação: 12 anos
Gênero: ação, comédia, aventura, ficção científica, super-herói
País de Origem: EUA
Sinopse: Com a identidade do Homem-Aranha revelada, Peter pede ajuda ao Doutor Estranho. Quando um feitiço corre mal, inimigos perigosos de outros mundos começam a aparecer, forçando Peter a descobrir o que realmente significa ser o Homem-Aranha.

O capítulo final da parceria entre a Sony e a Marvel, para a participação do amigão da vizinhança no MCU (Marvel Cinematic Universe), Homem-Aranha Sem Volta Para Casa, é o sexto filme da iteração de Tom Holland como Peter Parker no MCU, o terceiro solo do ator como o personagem.

Seguindo diretamente de onde o segundo filme, Homem-Aranha Longe de Casa, encerra,  Peter tem que lidar com as consequências de sua identidade secreta revelada a todos pelo vilão Mysterio, no final do filme anterior. Assim como a maior parte das obras da atual fase 4 da Marvel nos cinemas, o filme também trata de multiversos, abordando personagens variantes de outros universos, com uma breve pincelada no J. J. Jameson deste universo já apresentada também no final do filme anterior, vivido novamente por J. K. Simmons.

O filme, assim como os 2 anteriores, conta novamente com a direção de Jon Watts (de Clown, e A Viatura), e com a reprise de atores consagrados nos papeis de vilões icônicos dos filmes anteriores da franquia no universo Sony, com Alfred Molina como Doc Ock, Jamie Foxx como Electro e Willem Dafoe como Duende Verde, fazendo uso da já popular técnica de rejuvenescimento da Marvel. Em meios a tantos inimigos, Peter acaba tendo que enfrentar seu maior desafio depois de Thanos, mas o cabeça de teia não estará sozinho e contará com ajudas como a do mago supremo Dr. Estranho.

Os efeitos visuais são convincentes tanto no rejuvenescimento dos atores quanto nos momentos de ação, mas deixam a desejar em certas cenas com os atores rejuvenescidos e na textura de alguns dos vilões. Tom Holland ainda consegue convencer como adolescente e não tem dificuldades para encarnar Peter Parker novamente, interpretando uma de suas melhores atuações do personagem, até então, aprendendo das formas mais penosas que poderes não vêm sem responsabilidades. Alfred Molina emula muito bem sua atuação original de Doc Ock, como se estivéssemos todos em 2004 novamente, assim como Willem Dafoe, que oferece uma performance superior à do filme de Sam Raimi de 2002, com vozes, risadas e trejeitos idênticos aos do filme original de Raimi, se tornando facilmente um dos vilões mais odiáveis do MCU.

Por mais que o filme seja um dos mais longos do MCU, atrás apenas de Vingadores: Ultimato e Eternos, dada à forma dinâmica como a trama se desenrola, aliada à trilha novamente executada por Michael Giacchino, com algumas de suas melhores composições, o pacing do filme ocorre de forma agradável e imperceptível, deixando um gosto de quero mais. As piadas fluem bem, nos momentos certos e bem equilibradas com os momentos de drama e seriedade do filme, enquanto que as cenas de ação são algumas das mais empolgantes e mais bem coreografadas do MCU, principalmente no clímax.

Cabe lembrar que antes do lançamento do filme, foi confirmado que Tom Holland continuará como Peter Parker por mais uma trilogia e o filme deixa brecha para diversas novas ramificações para onde o universo cinematográfico do teioso estabelecido pela Sony pode seguir.

Homem-Aranha Sem Volta Para Casa é uma carta de amor da Sony e Marvel a todos os fãs do Amigão da Vizinhança, seja um fã de longa data ou fã recente, superando, e muito, a hype gerada em torno do filme. O longa encerra de modo incrível e memorável a trilogia iniciada em Homem-Aranha De Volta Para Casa e se estabelece não só como um dos melhores filmes do teioso e do MCU, mas também um dos melhores do gênero super-herói e uma experiência cinematográfica que ficará na memória de todos durante muito tempo. É sem dúvidas um dos melhores e mais emocionantes filmes do ano!

Nossa resenha com spoilers você confere aqui no site em 48h.