Creio que eu esteja um pouco atrasada nesse review, mas antes tarde do que nunca. Bem, primeiramente falando que estou opinando sobre o filme com a visão de alguém que apenas conhece a estória cinematográfica e que se apaixonou pelos primeiros filmes.

Direção: Neil Marshall
Roteirista: Andrew Cosby
Baseado: Hellboy de Mike Mignola
Edição: Martin Bernfeld

  • Sinopse: No passado uma feiticeira é selada para evitar espalhar o mal pelo mundo. Depois de muitos anos uma criatura a ajuda a se reerguer e ela decide se vingar. Hellboy recebe a missão de conter essa ameaça e salvar o mundo, mas se sente divido entre o mundo sobrenatural e humano, sem saber a qual se encaixa e qual deve proteger.

Confesso que fiquei bem animada para assistir a essa versão, porém com o pé atrás, mas digo que me agradou bastante. Inicialmente pelo Hellboy, achei que a personalidade desengonçada e cômica foi mantida, e isso me deu muita nostalgia, pois adoro personagens com tem esse ar mais despreocupado. Dele não tenho o que reclamar. Gostei bastante também da Alice, seu jeito desinibida e digamos um pouco petulante me conquistaram, fora que suas habilidades para cruciais para o desenvolver e desfecho da estória.

Corrijam-me se eu estiver errada, mas notei alguns pontos e referências que lembrou cenas e/ou alguma peculiaridade de anime. Quando sai uma tropa montada em cavalos, com os homens trajando capas esverdeadas para caçar gigantes me lembrou muito de Shingeki no Kyojin. E quando Hellboy encontra uma casa andante me fez lembrar de O Castelo Animado. Além disso, quando Ben Daimio conta sobre seu passado e mostra o flashback, recorda um pouco do primeiro filme O Predador, além de claro terem usado a palavras “predador” enquanto narrava o acontecimento. Somente essas que consegui captar, caso tenha mais não esqueçam de me contar.

Partimos então para o enredo, essa parte me brochou um pouco, o fato de no passado uma poderosa bruxa ter sido derrotada e selada antes que fizesse algo muito ruim e anos depois alguns servos tentarem libertá-la para o plano ser executada já está mais do que passado.

Os efeitos intercalam entre bons, mais ou menos e ruins, então eu diria que eles não investiram muito nessa parte tendo que improvisar com efeitos baratos em alguns momentos, já que tem cenas que chegam a ser engraçadas de tão falso que aparenta o visual de certas criaturas e uso de armas.

Uma outra parte a comentar é o momento bem macabro que ocorre ao final com cenas bem gores que chegam a ser bizarras, como eu não esperava por isso fiquei até espantada.

E o final abre margem para uma possível continuação, e espero que tenham a criatividade e orçamento para investir em algo com melhores efeitos e menos clichê do que uma bruxa que desperta após anos para dominar o mundo. E sim recomendo que assistam, pois mesmo com os defeitos que mencionei eu assistiria novamente.

“As informações e opiniões expostas são de inteira responsabilidade dos autores e não
refletem necessariamente a opinião oficial do Teoria Geek.”

~Tamy

Inscreva-se no canal do Teoria Geek no Youtube e nos acompanhe também nas redes
sociais Facebook, Twitter e Instagram.