Nesta linha do tempo ( O filme é uma continuação direta do clássico de 1978, portanto ignorando todas as outras sequencias ), o serial killer Michael Myers foi preso desde os eventos do primeiro filme, conhecido agora como os Assassinatos da Babá. Ele não disse uma palavra. Não para o velho Dr. Loomis, o psiquiatra do primeiro filme, e nem para seu protegido Dr. Sartain (Haluk Bilginer), que continuou a estudar – alguns diriam obsessivamente – a psique do assassino após a morte de Loomis. Dr. Sartain escolta dois jornalistas que esperam torcer um SerialPodcast fora do caso de Myers: ele os leva até Myers, onde está acorrentado em uma área de lazer de concreto e xadrez. Myers fica de costas para eles, e um puxa a máscara velha e cheia de cicatrizes de uma sacola. Todo psicopata no quintal enlouquece, animado por qualquer maldade que passe invisivelmente da máscara para o homem e para trás. Mas Myers não faz nada.

De volta a Haddonfield, Illinois, Laurie Strode (Jamie Lee Curtis, que fez sua estréia no cinema no Dia das Bruxas de Carpenter ) não é o que a maioria das pessoas chamaria de sobrevivente. Survivalist é mais assim: Psicologicamente marcada por sua batalha com Myers, ela tem uma grande coleção de armas, vive em uma casa fechada com portões de segurança e holofotes e pensa em pouco, mas no dia em que Michael Myers escapa e vem atrás dela. Ela pode estar ansiosa por isso.

Strode fugiu de dois maridos e foi tão insistente em treinar uma filha que as autoridades a declararam uma mãe incapaz. Agora, Karen Strode (Judy Greer) é um adulto normal, com um marido (Toby Huss, tão charmoso quanto ele era em Halt and Catch Fire ) e uma filha, Allyson (Andi Matichak). Eles nunca adivinhariam, mas as três gerações de mulheres vão se somar a uma rainha do grito.

Há mais cenário do que no thriller habitual, com o roteiro elaborando essa dinâmica familiar e introduzindo o círculo de amigos da escola de Allyson. Essas crianças se assemelhariam ao habitual grupo de vítimas de fotos de terror, se não fosse pelo fato de serem realmente agradáveis. Não só não estamos ansiosos para que eles morram, mas em alguns casos isso vai nos deixar tristes quando isso acontece.

Em 30 de outubro de 2018, Myers deve ser transportado da instituição de Sartain para outra prisão. O que, claro, significa que em breve veremos um ônibus da prisão naufragado em uma vala e um assassino à solta. Mas o filme (escrito por Green, Danny McBride e Jeff Fradley) lida com isso de forma diferente da habitual seqüência de fuga de detentos, mantendo grande parte da ação fora da tela e, quando vemos um assassinato, tornando-o um que não queremos. Nas próximas cenas, Green nos provoca com o personagem icônico, colocando-o no fundo ou na borda do quadro, mesmo quando ele está fazendo algo que devemos ver. É 31 de outubro – exatamente 40 anos depois dos Assassinatos da Babá – antes que o filme o pegue em sua mira, e mesmo assim, Green o deixa fazer a verdadeira matança em grande parte fora das telas. Nós o vemos em perseguição, vemos as cenas horríveis que ele deixa para trás,

Green tem um pouco de diversão com piadas internas e mortes que empurram os limites, e oferece mais do que um par de facas de cozinha reluzentes, antes de começar a empurrar a ação. longe dos civis de Haddonfield e em direção à mulher que está planejando isso. Allyson ainda está em um baile de Halloween quando um xerife local percebe que realmente há um assassino à solta e começa a ajudar Laurie a reunir sua família. 

A foto tem um bom choque ou duas na manga antes de chegar à casa blindada de Laurie, e, uma vez lá, nos surpreende novamente. Apesar de todo o planejamento, o covil de Laurie não é a armadilha de aço que agradávamos a multidão que achávamos que seria. Ao proteger sua família e caçar Myers, suas táticas deixam a desejar; passagens ocultas não são tão difíceis de encontrar quanto deveriam; As regras de drama de Chekhov não se aplicam à besta notável que vemos em seu arsenal.

Talvez houvesse algo em tudo que Sartain filosofava sobre caçador e presa precisando um do outro; talvez, subconscientemente, Laurie não queira derrotar a criatura do “puro mal” que roubou sua juventude. Ou talvez ela faça e queira. Dada a maneira como sequelas, reinicializações e “retconning” funcionam nos dias de hoje, a questão nunca pode ser finalmente respondida. Mas este Halloween termina de uma maneira satisfatória.

Enfim, “Halloween (2018)” não será tão memorável daqui a alguns anos. É um dos melhores filmes de terror do ano? Sim. Além de ter ótimos momentos que farão tanto seus fãs mais antigos como os mais novos gostarem. E é por isso que vale a pena ser visto.

Empresas de produção: Trancas International Films, Produções Blumhouse, Miramax 
Distribuidor: Universal 
Elenco: Jamie Lee Curtis, Judy Greer, Andi Matichak, Will Patton, Virginia Gardner, Nick Castelo 
Diretor: David Gordon Green 
Roteiristas: Jeff Fradley, Danny McBride, David Gordon Green 
Produtores: Malek Akkad, Jason Blum, Bill Block 
Produtores executivos: John Carpenter, Jamie Lee Curtis, Danny McBride, David Gordon Green, Ryan Freimann 
Diretor de fotografia: Michael Simmonds 
Designer de produção: Richard A. Wright 
Figurinista: Emily Gunshor 
Editor: Tim Alverson 
Compositores: John Carpenter, Cody Carpenter, Daniel Davies