Uma combinação perfeita de ação e comédia, Dupla Explosiva 2 – E a primeira Dama do crime, é um filme que, na minha opinião, vai conseguir cativar os fãs de ambos os gêneros. Vem conferir o que rolou.

Dupla Explosiva 2
Ficha Técnica
Título: Dupla Explosiva 2 – E a primeira Dama do crime
Ano de Produção: 2021
Dirigido Por: Patrick Hughes
Estreia: 1 de Julho de 2021
Duração: 2 horas
Classificação: 16 anos
Gênero: Ação/ Comédia
País de Origem: Estados Unidos
Sinopse: O guarda-costas Michael Bryce (Ryan Reynolds) terá que abandonar sua licença sabática para proteger Darius (Samuel L. Jackson) e Sonia (Salma Hayek), o casal estranho mais letal do mundo. Enquanto Bryce é levado ao limite por seus dois protegidos, o casal Kincaid se mete em uma trama global, onde são perseguidos por um louco vingativo e poderoso (Antonio Banderas).

 

Que Dupla!

É inegável a química entre Samuel L. Jackson e Ryan Reynolds. O primeiro, um assassino de aluguel, e o segundo um guarda-costas que perdeu sua licença recentemente e resolveu tirar um período sabático. Como poderia dar certo essa união?

Os dois fazem um trabalho incrível juntos, seja para nos tirar boas risadas, ou para nos deixar apreensivos nas cenas de luta e ação. É aquela frase famosa: Toda loira tem sua morena! E, neste caso, o loiro tem seu moreno.

Outro ponto incrível do longa são os diálogos cheios de referências. Para mim, não ficou forçado em nenhum momento, pelo contrário, se encaixam muito bem no roteiro.

Mas, como essa dupla se reuniu novamente após os acontecimentos do último filme?

A Primeira dama do crime

A Primeira Dama do Crime

A responsável pela união dos dois inimigos de outrora é a Miss Kincaid. Sonia (Salma Hayek) interpreta de maneira equivocada o pedido de ajuda do marido Darius que foi sequestrado pela máfia, e invés de pedir auxílio para qualquer um menos para o Bryce, ela vai justamente procurar o guarda-costas.

A Sra. Kincaid simplesmente interrompe de maneira quase nada chamativa (contém ironia) o período sabático de Bryce, com um grande tiroteio e perseguição. Pelo menos ela conseguiu chamar a atenção do rapaz e a ajuda que queria.

É claro que ela conseguiria resolver a situação sozinha facilmente, pelo menos é o que a cena de resgate dá a entender. Contudo, a dupla de “melhores amigos” só poderia estar completa com a carismática e caricata primeira dama. Aliás ela acaba sendo o elo entre os dois, e quem faz tudo funcionar, mesmo que eles acabem entrando no meio de uma grande confusão entre o sociopata e megalomaníaco, Aristotle (Antonio Bandeiras) e a Interpol.

Uma missão nada convencional

Após Bryce e Sonia resgatarem Darius, eles são levados por um agente da Interpol, que não dá escolha a eles e pede que sirvam de isca para que ele consiga prender o cara que está tentando realizar um grande ataque à Europa.

Nenhum dos três fica feliz com a missão, afinal cada um tinha um plano em mente para seguir, porém eles não tem muita escolha. Sendo assim, fica de lado a lua de mel do casal Kincaid, e o período sabático de Bryce.

E já que teve que retornar a ativa, o sonho de ter sua licença novamente, reacende no guarda costas, e este caminho o leva a tentar enfrentar seus traumas de infância. É aí que conhecemos uma peça chave para o desfecho do filme e temos uma das cenas de comédia mais “pastelonas” da película.

O trio precisa de ajuda, e Bryce os leva até a casa de seu pai, um premiado guarda costas aposentado, que é interpretado por Morgan Freeman, acreditem se quiserem.

Após esse encontro o que já estava de mal a pior começa a rolar ladeira abaixo. E com certeza não há nada tão ruim que não possa piorar. Para a nossa sorte, não é mesmo? Quanto mais encrenca, mais cenas de ação e comédia temos.

Bryce e Darius

Se fizer sentido perde a graça

Sim, para assistir temos que desprezar a lógica durante vários momentos. Afinal o intuito do filme é nos apresentar grandes cenas de ação e comédia pastelona. Então é tanto tiro, porrada e bomba, tanta perseguição, e momentos engraçados, que as vezes nos perdemos um pouco no que está acontecendo na história.

Eu não vi problema nenhum nisso, já que me diverti bastante. E como mencionei em outras oportunidades, para mim o que torna a obra especial são as emoções que ela me causa, e lições que posso aprender com ela.

Está certo que talvez o que eu tenha aprendido aqui é para ficar longe de período sabático e lua de mel na Itália, mas uma coisa é fato: meu dia melhorou demais após tantas risadas. E brincadeiras a parte, temos sim alguns ensinamentos. Mas vou guardar os meus para mim mesma, assim não estrago a experiência de cada um que está lendo, mas ainda não assistiu o filme.

Casal Kincaid e Bryce

A trilha sonora pode mudar tudo

Os efeitos visuais do filme são bem legais, a paleta de cores escolhida também. Mas o destaque vai com certeza para a trilha sonora. Cada música escolhida se encaixa perfeitamente nas cenas, e sem elas não fariam o menor sentido. Além de a seleção ser composta por grandes clássicos. Há quem não ligue para isso, mas quem já leu outras resenhas minhas, sabe que eu sou apaixonada por trilhas.

Claro que nem tudo são flores, e eu acho que em alguns momentos houve exageros nas câmeras lentas, e se não fosse a música de fundo, eu com certeza teria odiado esse excesso.

Daqui alguns anos, se ainda existir a sessão da tarde, esse filme com certeza irá fazer parte do nosso período vespertino, afinal ele é perfeito para isso. E não significa que não gostei, pelo contrário, eu amei e indico demais! Valeu a pena cada minuto em frente a tela.

Entretanto, se você não é aquela pessoa que curte esse humor mais pastelão, talvez não faça sentido assistir Dupla Explosiva 2 – E a primeira Dama do Crime.

Agora quero saber de vocês, curtem esse tipo de filme? Me contem aqui nos comentários se já assistiram.

E para mais resenhas como esta, clique aqui.