A Última Carta de Amor estreou na Netflix dia 23. Um romance que atravessa o tempo e que tinha declarações e encontros marcados através de cartas. O filme pode ser considerado parado, porém, tem uma história que prende e te deixa curioso com onde isso tudo vai dar. Além de conseguir apresentar e ligar muito bem mais de um tempo diferente. O longa é baseado no livro de mesmo nome de Jojo Moyes.

A Última Carta de Amor
Ficha Técnica
Título: A Última Carta de Amor
Ano de Produção: 2019
Dirigido Por: Augustine Frizzell
Estreia: 23/07/2021
Duração: 1 hora e 50 minutos
Classificação: 12 anos
Gênero: Romance, drama, filmes baseados em livros
País de Origem: Reino Unido, França
Sinopse: Em Londres no ano de 1965, Jennifer sofreu um acidente e perdeu parte da memória, tendo apenas alguns flashes. Mas ao achar uma carta a mulher decide investigar. Enquanto que, simultâneo a isso, temos Ellie, uma jornalista nos dias atuais que acaba achando a mesma carta que Jennifer. 

O início

                Vou começar dizendo que é preciso ter certa atenção ao que se passa no filme. Pois ele apresenta momentos diferentes no tempo e apesar de conseguir fazer isso bem, se o telespectador não tiver certa atenção vai acabar se perdendo. Enfim, o filme inicia em Londres em 1965. Vemos uma mulher dentro de um carro, que posteriormente descobrimos que se chama Jennifer (Shailene Woodley) tendo o apelido de Jennie. Ela parece perdida e um tanto preocupada, mas o homem ao seu lado, Laurence (Joe Alwyn), segura sua mão e diz que vai ficar tudo bem.

                Descobrimos que ela acabou de voltar do hospital e que ficou com uma cicatriz no rosto. Mas não só isso, ela não se lembra de nada, apenas sofre com alguns flashes de memória. Além disso, Laurence aparece em uma cena escondendo uma carta em seu escritório. Então os dois vão dormir. E assim, viemos para Londres nos tempos atuais.

                Ellie (Felicity Jones) acorda ao lado de um cara que nem se lembra o nome. Ele demonstra interesse nela pedindo seu telefone e falando de saírem de novo. Mas ela nega. Dando a entender ao telespectador que a mulher provavelmente tem algum trauma de relacionamento. Assim, ela pega um táxi para ir até seu local de trabalho, um jornal, e no caminho vemos algumas ruas de Londres e Ellie olhando fotos antigas de seu último relacionamento.

No jornal

                Em seu ambiente de trabalho, vemos que os próprios amigos de Ellie são meio frustrados com ela. Dado ao fato dela não ir em compromissos. Mas enfim, ela descobre que um artigo sobre a jornalista mais antiga do jornal, Mary Ellen, que acabou de morrer tem que ser escrito. E assim ela vai atrás de informações sobre a falecida.

                Por isso, ela vai até o local onde ficam os arquivos e lá conhece Rory (Nabhaan Rizwan), o responsável pelo acesso a sala de arquivos. Porém, existem algumas regras como marcar hora online para usar a sala. Essa e outras regras deixam Ellie bem enfurecida. Mas ela não desiste. Enquanto isso, vemos algumas cenas de Jennifer. Uma conversa dela com uma amiga tentando saber mais do que aconteceu, um jantar com o marido e amigos em que Laurence controla a bebida da esposa.

Ellie (Felicity Jones) e Rory (Nabhaan Rizwan) no novo romance da Netflix baseado no livro de Jojo Moyes

                E de volta aos dias atuais, temos Ellie na sala de arquivos pesquisando sobre a jornalista falecida. E no meio dessa pesquisa ela acha uma carta. Uma carta profunda de amor, onde o remetente chamava a endereçada para fugir com ele. Porém, a carta não possui o nome de nenhum dos dois, apenas iniciais que não ajudam em nada. E mesmo achando tudo bem interessante Ellie acaba por deixar de lado.

A tal carta

                Simultâneo a Ellie achando a carta no presente, temos Jennie achando a mesma no passado e indo investigar ver se descobre mais sobre isso. E então mais um tempo entra no filme, seis meses antes do acidente. Jennie e Laurence viajam e se hospedam em um hotel. Mas o marido não tempo para a esposa que acaba achando maneiras de se distrair sozinha.

                E quando o jornalista Anthony O’Hare (Callum Turner) aparece para entrevistar Laurence que continua muito ocupado com suas próprias coisas, Jennie acha um companheiro de distração. As cartas começam com um pedido de desculpas de Anthony para Jennie por escrito. Mas na época não existia WhatsApp, a maneira que encontram para se comunicar e marcar suas saídas é por cartas.

Jennifer (Shailene Woodley) e Anthony O’Hare (Callum Turner) em A Última Carta de Amor

                O filme segue e Rory acha outra carta que dessa vez faz com que Ellie se sinta instigada a ir atrás de toda essa história. Então ela se junta com Rory para que ambos descubram mais sobre isso e se existam mais cartas. Enquanto simultâneo a isso vemos mais do romance antigo sendo construído e as coisas que aconteceram após o tal acidente de Jennie.

Opinião

                A Última Carta de Amor trabalha muito bem com a questão da luz e das paisagens. Vemos cenas belíssimas graças a esse bom trabalho feito. A trilha sonora é boa, principalmente, nos momentos que se passam antigamente. Não digo que é ótimo, pois faltou um pouco mais de preocupação com a trilha das cenas que se passam nos dias atuais. A caracterização dos personagens também é boa, mas novamente parece que houve muita preocupação com o antigamente e pouca com o presente, porém, nada que atrapalhe o filme.

                Como eu havia dito lá no início, é um filme que pode ser considerado parado. Mas ainda assim, ele prende a atenção, porque o espectador sabe apenas uma parte da história. Então perguntas rondam o filme, entre elas, como as cartas trocadas entre Anthony e Jennifer foram parar no meio das coisas da jornalista Mary Ellen? E são essas perguntas que prendem a atenção de quem assiste ao filme, e que são respondidas ao longo da história.

                A primeira hora do longa é focada no desenvolvimento da relação entre Anthony e Jennifer. Enquanto que, a segunda hora seria mais focada em resolver isso que aconteceu e uma tentativa de desenvolvimento de romance entre Rory e Ellie. O que acaba sendo algo que fica muito raso. Vemos que os dois personagens do presente têm sua profundidade e seu próprio passado, mas a relação entre eles parece ter sido forçada, fica muito de lado. Acredito que isso poderia ter sido melhor feito. Se o foco era pra ser todo no casal do passado não havia necessidade de um romance no presente. Mas ao mesmo tempo parece que o foco eram para ser esses dois casais, porém, isso gera uma confusão. Porque o segundo romance é tão raso que o espectador fica pensando se era esse o objetivo ou não.

Assistir ou não?

                Se você quer um filme mais para passar o tempo ou gosta de romances A Última Carta de Amor pode ser uma ótima pedida. Mas se esse não é o seu caso, acredito que não venha muito a gostar e até aproveitar o filme. Enfim, ele vale sim a pena, porém é bom esclarecer essas coisas para ao chegar na hora não se frustrar. Eu confesso que pelo trailer esperava um pouco mais. Mas, ainda assim, não saí decepcionada depois de assistir.

Mas e você, já assistiu ao filme? Conta aí nos comentários e para mais resenhas como essa é só clicar aqui.

Teoria Geek – O importante é se divertir