Finalmente, um ‘dorama’ nativo! Eis o primeiro japonês no TG. Good Morning Call é um Jdrama, desses baseados em mangá. Sempre tem um dorama que se a gente não falar dele, não nos sentimos completos. Muito antes de falar em Goblin – que será um dos próximos que resenharei – senti que precisava falar de Good Morning Call para tentar dar fim ao hate que rola em cima dele e, quem sabe, trazer uma nova perspectiva a quem insiste em olhar o protagonista com maus olhos.
Desta vez, não vou dizer que gostar dele é uma questão subjetiva. Não! Hoje, vou arriscar dizer que é preciso examiná-lo, primeiro. É preciso se despir de estereótipos. Se colocar no lugar dele, não do da mocinha. Se aprofundar na personalidade dele e na época em que foi escrita a história. Só assim serão capazes de me entender! E, antes de concordar ou não comigo, é importante, pelo menos, acompanhar o raciocínio… Os desafio a analisarmos Good Morning Call juntos!
Empatia não é se colocar no lugar do outro com a nossa cabeça e a nossa visão de mundo. Empatia é, na verdade, a capacidade de colocar no lugar do outro com a cabeça do outro. Com essa resenha, vamos mergulhar na personalidade do Uehara. E, só quando a definirmos por completo, nos focaremos na personalidade da Nao. Ficará fácil entender a minha posição perante Good Morning Call e o relacionamento deles. 
Primeiramente, é preciso tirar da nossa cabeça que todo personagem masculino – que ousar ser o protagonista, – tem que ser perfeito. Porque não tem. Particularmente, eu até prefiro quando não são. Afinal, tudo o que é perfeito demais, você desconfia, porque sabe que não existe. Caras como o Uehara existem aos montes, mesmo que você não tenha tido nenhum tipo de experiência em sua vida amorosa com o tipo dele. Mas, antes de nos aventurarmos a mergulharmos em suas personalidades e temperamentos, vamos à sinopse:
Gênero: Comédia Romântica Adolescente
Temporadas: 2
Episódios: 17 / 10
Exibição: 2016 / 2017
  • Sinopse:A adolescente Nao Yoshikawa mudou-se para seu próprio apartamento 305 na cidade, quando seus pais voltaram ao país para administrar a fazenda da família. No entanto, ela logo descobre que Hisashi Uehara, um colega de boa aparência, também está se mudando. Percebendo que eles foram enganados em alugar o mesmo apartamento, eles concordam em se tornar companheiros de quarto, a fim de fazer o pagamento do aluguel. A história segue suas aventuras enquanto eles tentam manter sua coabitação em segredo de seus colegas, com Nao desenvolvendo sentimentos românticos por Hisashi quando ela o conhece melhor.

Good Morning Call foi baseado em um mangá shōjo de 11 volumes, escrito por Yue Takasuka, lançado por SHUEISHA, em Setembro de 1997, durando até Abril de 2002. A autora Yue Takasuka começou a publicar uma sequência da série intitulada Good Morning Kiss, desta vez na revista Cookie, da mesma editora, no ano de 2007. A história trabalha dois modos de amar distintos, que não são definidos como certo ou errado, mas realistas, ainda que de maneira caricata.

O relacionamento da Nao e do Uehara divide opiniões. Quem assiste esquece de se despir dos estereótipos do protagonista perfeito e se precipitam em julgar a história inteira com base naquilo que eles fariam. Desde quando amar passou a ser racional? E o erro só começa aí! É necessário, portanto, entender o Uehara primeiro.

Uehara perdeu seus pais de uma maneira muito trágica e durante uma boa parte de sua vida foi apaixonado pela mesma mulher. Mas, se tratava de um amor platônico, uma paixão impossível. Ela era sua cunhada, esposa de seu irmão mais velho. Sem muitas opções e em respeito a seu irmão, foi obrigado a aprender a manter seus sentimentos escondidos, em segredo e por anos.
Agora, vou contar uma coisa para vocês, caso não saibam: A personalidade de uma pessoa não é inata, ou seja, não nasce com a pessoa. Não é como o temperamento. Ela se desenvolve com o tempo e tem muitas influências com as experiências vividas. Sabendo disso, não me parece difícil entender por quê o Uehara tinha tanta dificuldade em expôr seus sentimentos para a Nao. Pensem bem: Ele viveu anos aprendendo que tinha que escondê-los. Foi assim que ele viveu. Quem queria que ele fosse uma pessoa normal ou romântica, está exigindo demais dele. Acredito, ainda, que por conta da personalidade da Nao, a dele ficou parecendo mais fria, mas não é, necessariamente, a realidade, nem menos algo ruim.
A Nao é uma personagem extremamente caricata! O romantismo dela é elevado à décima potência. Ela é uma sonhadora nata e isso acaba fazendo com que queiramos uma pessoa que corresponda aos anseios dela. – Então, não levem como crítica o que eu disse acima, eu sei que é normal esperar um oppa perfeito, okay? Só achei necessário frisar que para entender o Uehara, precisaríamos nos desfazer do estereótipo do “cara perfeito”. – Porém, sabemos que corresponder a todas as exigências da Nao, é humanamente impossível. – Sabemos, né? – Por mais caricata que ela seja, a Nao também retrata a típica adolescente que busca um estereótipo muito alto num cara e que se apaixona por aquele que a desafia e foge, totalmente, dos seus padrões.
Embora eu já tenha dito… – Qual é a sacada de Good Morning Call? Contar a história de duas pessoas, completamente opostas entre si, que se apaixonam verdadeiramente um pelo outro e devem lidar com as próprias personalidades para fazer o relacionamento dar certo. Então, sim, ambos DECIDEM mudar pelo outro. É diferente de quando só um muda ou quando um se vê obrigado a mudar. Tudo o que acontece entre os dois é de forma natural, suave e leve. Errando e aprendendo, realista como a vida é. E eis o real motivo pelo qual eu AMO os dois juntos, contrariando TODOS OS HATES!

“Ah, mas eu preferia a Nao com o…”

Então, meu bem, ninguém liga… porque não é você quem decide, nem sou eu, mas a Nao (ou quem escreveu a história) e o máximo que a gente tem que fazer, enquanto leitor ou telespectador, é entender o porquê. – Desculpem-me, mas é que a minha paciência com hate nesse dorama, é mínima. – Entendam: Não se trata de eu não aceitar opiniões diferentes, masé porque acredito, com todo o coração, que quem o pratica não entendeu a personalidade do Uehara, nem da Nao, muito menos a proposta da história. Vejam: okay, e daí que os outros personagens masculinos são fofos? Então, por serem fofos e por combinarem mais com as expectativas da Nao, ela deveria escolhê-los? Acham mesmo que amor é algo controlável assim? Pura razão e fim?
A Nao e o Uehara se conhecem quando descobrem que foram enganados pela mesma proprietária e terão de dividir o mesmo apartamento. Para continuar os estudos, eles acabam concorando em manter isso em segredo. Se apaixonaram quando dividiram o apartamento, e não porquê o dividiram. Ambos se apaixonaram pelas qualidades e defeitos um do outro e, por isso, é tão difícil para algumas pessoas entenderem que, para fazer o relacionamento dar certo, a Nao aprendeu a abaixar as expectativas (que nunca fez bem para ninguém, na vida real) e o Uehara aprendeu a demonstrar um pouco mais seus sentimentos (que é justificável pela sua história de vida).
E essa mudança não acontece da noite pro dia – ainda bem! – é gradativa e se arrasta por 2 temporadas. E só se arrastam, porque a história fala, justamente, sobre isso: Ambos se desafiam em nome do relacionamento deles. O fato de o destino tê-los colocado no mesmo apartamento, não necessariamente significa que se apaixonariam. Conseguem compreender isso?
Duas pessoas que crescem juntas, não necessariamente se apaixonam. É o caso de milhares de “amigos de infância” que ficam na friendzone! É preciso algo a mais para que duas pessoas se apaixonem. A história narra, justamente, a ideia de que os opostos se atraem. Por este motivo, o dorama é tão complexo e divide opiniões. Mesmo sendo ‘teen’.
A Nao conta com a amizade de Marina que, percebendo que o Uehara é um pouco desligado, acaba sempre dando algumas (in)diretas. Tais indiretas o fazem entender como funciona a mente da Nao. É claro que ele está longe de ser o cara perfeito! Pela sua personalidade ser tão diferente da dela, ele próprio acaba percebendo que não conseguirá responder às suas expectativas. É óbvio que também não goste de se sentir obrigado a mudar o tempo todo, por ela. Seus conflitos giram em torno de como farão para se adaptar um ao outro…
O próprio o Uehara chega a dizer em um momento:

“A Nao me salvou!”

Se isso, para vocês, não é demonstração de afeto, eu não sei mais o que é. Nem tampouco o que mais querem. Já disse, não existe homem perfeito! E os oppas perfeitos, meus amores, não existem na vida real! Verdade nua e crua, porém precisa. Tem mais! TODOS os amigos da Nao e os do Uehara percebem o quanto ele se esforça para demonstrar seus sentimentos à Nao e dá-la mais segurança. O problema é que ela é insegura de natureza. – Porque ele é o “cara mais popular do colégio” (etc, etc, etc e todos os clichês de mangás shōjos que já sabemos).

Claro, que o jeito dele ser colabora com a insegurança da Nao! Afinal, o tempo todo ela duvida dos sentimentos dele. No fundo, queria que ele fosse como ela. Esquece que AS PESSOAS AMAM INTENSAMENTE DE MANEIRAS DIFERENTES. E esse é o ponto-chave da história do dorama! – Olha que sacada mais realista, minha gente!? – Vocês podem não ter entendido, mas há muitos motivos para ser Team Uehara!

O final da primeira temporada confirma minha teoria de amor verdadeiro por parte do Uehara para a Nao. Só quem não entendeu o sentido desta cena é quem pode acreditar no contráro. De novo: há várias formas de amar, e nem sempre a mais ‘conto-de-fadas’ é a certa. ^^

Preciso lembrá-los, ainda, que a história de Good Morning é sobre um romance adolescente, embora seja trabalhado em cima de um tema complexo, então não esperem muitas emoções e beijos ardentes, apenas se aprofundem na personalidade deles e eu garanto que não se arrependerão. – “Ah, mas eu prefiro ela com”.. Benhê, ninguém liga! haha

**************************** ONDE ASSISTIR ****************************

• Netflix • Mahal Dramas Fansub
Post previamente postado em: “Eu ♥ Doramas”.
~ RackysEU ♥ DORAMAS

Inscreva-se no canal do Teoria Geek no Youtube e nos acompanhe também nas redes
sociais FacebookTwitter e Instagram.