Samurai Champloo foi criado pelo mesmo talento que criou Cowboy Bebop, um anime adorado por muitos, incluindo o diretor Shinichirō Watanabe. A série foi ao ar em vários países do mundo, gerou várias trilhas sonoras bem-sucedidas. O que estou dizendo aqui é que, se você não o viu, ou pelo menos ouviu seus elogios, provavelmente está preso nos últimos 5 anos ou apenas descobriu anime (e televisão) ontem. Se por algum motivo você conseguiu evitá-lo até esse momento, é hora de você e Champloo se familiarizarem.

 

Título Samurai Champloo (Original)
Ano produção 2004
Dirigido por Shinichirô Watanabe
Estreia
19 de Maio de 2004 ( Mundial )
Outras datas 
Duração 598 minutos
Classificação
Gênero
Países de Origem

Sinopse

Fuu, uma jovem de 15 anos, quer encontrar “o samurai com cheiro de girassóis” e tudo o que sabe a respeito dele, além disso, é que ele habita a outra extremidade do Japão e, no seu caminho, cruza com Mugen, um vagabundo de 20 anos, e Jin, um rônin de 20 anos, que deverão segui-la devido à uma aposta estupidamente perdida.

O mangá se passa na Era Tokugawa, quando os estrangeiros eram proibidos de pôr o pé sobre em solo japonês; quando a religião cristã era proibida e que todos que praticavam esta religião ocidental eram perseguidos e mortos.

E sobretudo, é a época onde a idade de ouro dos samurai apaga-se pouco a pouco, onde as antigas famílias respeitáveis tornam-se elevados funcionários e abandonam a espada em proveito da caneta e a política.

É nesta época de mudanças radicais no Japão que nossos três heróis atravessam o País do sol nascente.

Mugen e Jin fazem partidos da última geração de homens de sabre mas não espere mais sobre o curso de história porque poderá observar ao fim dos episódios que certas coisas foram acrescentadas ligeiramente scénaristes, como por exemplo o fato de certas pessoas praticarem o human beat box.

Ou então quando um grupo de jovens faz tags sobre murados dos castelos.

Enfim, há uma mistura entre o estilo oriental e o hip hop, assim como em Cowboy Bebop (outra série do mesmo estúdio) que mistura futuro com jazz e blues.

 

 

 

O tema de abertura define o tom da série: Samurai Champloo é uma peça de época inspirada no anacronismo que ocorre na era Edo do Japão. Misturando elementos de samurai e ação moderna com comédia que varia de palhaçada a irreverência completa, Champloo é coroado com elementos do hip-hop da velha escola e outras contraculturas.

O anime não é estranho ao hip-hop, mas nunca foi integrado de maneira tão brilhante quanto no Champloo. Desde a estética do programa até a trilha sonora alimentada por batidas de rap, o estilo de luta inspirado no break-dance de Mugen, temas de episódios e designs sutis nas costas dos quimonos, a influência urbana pode ser sentida em todos os lugares. Anacronismos de outras variedades também são predominantes; Os óculos de sol da moda de Jin, bandidos de estilo punk anarquista, um discreto piercing na sobrancelha, e por aí vai…

Esses elementos fora do lugar, combinados com fatos históricos reais, criam um ambiente rico, algo que raramente é visto, muito detalhado. A série tem uma quantidade tão exuberante de personalidade e talento artístico que ganha vida própria. Este é o coração e a alma de Champloo; se de alguma forma fosse extinto, o programa continuaria sólido, mas também seria totalmente esquecível.

A premissa é tão básica quanto possível. Segue uma jovem garota acompanhada por dois espadachins que ela recrutou em uma missão para ir do ponto A ao ponto B, e todas as aventuras doidas que ocorrem no meio. Desde o primeiro episódio, o espectador sabe para onde a série está indo, com um senso bastante decente de como vai terminar e, infelizmente, Champloo não traz surpresas.

O ritmo é muito semelhante ao do Cowboy Bebop. A maioria dos episódios se sustenta por conta própria, mantendo uma conexão com a história abrangente. No entanto, esse método de contar histórias parece significativamente mais eficaz no Bebop por dois motivos: não sabemos ao certo para onde o Bebop está indo e o resultado final é indescritivelmente melhor. Alguns episódios se mostram bastante memoráveis, embora a maioria não seja digna de nota – isso não quer dizer que eles não sejam divertidos, ou bons.

Mugen e Jin são arquétipos de personagens incrivelmente comuns: o vagabundo não refinado e de temperamento curto e o bem-educado e sempre calmo samurai. Isso é facilmente ignorado, pois os moldes que eles preenchem jogam bem na interação do trio. Ambos os leads masculinos têm uma quantidade razoável de profundidade, mas pode ser difícil de detectar, especialmente com Mugen. Torna-se óbvio que Fuu é a cola que mantém tudo unido, e ela também é a personagem mais desenvolvida dos três e a única a mostrar um crescimento significativo ao longo da jornada. Seus companheiros de viagem permanecem praticamente inalterados, mas isso funciona de alguma forma. Infelizmente, ela é muitas vezes negligenciada com muita facilidade, em vez da maldade de Mugen.

Os personagens coadjuvantes em Champloo são totalmente esquecíveis: um homem grande e mal formado evitado pelos moradores como um monstro, um assassino cego, um ninja bonito, o obediente chefe da yakuza; nenhum desses caracteres se destaca. O samurai elegante e andrógino parece ser o único personagem típico do período Edo que falta aqui – Jin quase se encaixa perfeitamente. O show não é terrivelmente prejudicado por um elenco de apoio sem inspiração, poderia ter sido melhor. A trama rudimentar, os problemas com o ritmo, os personagens de apoio, tudo poderia ter sido melhor – e não foi. Mas nada que possa dizer ser muito grave.

Apesar de um enredo linear, ritmo que não cria expectativa ou tensão e um elenco de apoio fraco, Samurai Champloo ainda é uma das melhores séries de anime da década, graças ao seu incrível cenário anacrônico, valores de produção de alto nível e personalidade de sobra. Se você gosta de ação e / ou samurais, a interação cômica com o trio e a apresentação elegante ainda são motivos suficientes para dar uma chance.

 

Inscreva-se no canal do Teoria Geek no Youtube e nos acompanhe também nas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.