Hello there. Com a promessa da revanche do século, Obi-Wan Kenobi chegou ao Disney+, em 27 de maio, e deixou o fandom de Star Wars ainda mais dividido.

Ambientada entre os Episódios III (A Vingança dos Sith) e IV (Uma Nova Esperança) da Saga Skywalker, a série do famoso mestre jedi tem seus altos e baixos, mas não impede de você se divertir com mais uma história de Star Wars.

Ficha Técnica
Título: Obi-Wan Kenobi (1ª Temporada)
Ano de Produção: 2021
Dirigido Por: Deborah Chow
Estreia: 27 de maio de 2022
Duração: 279 minutos
Classificação: 14 anos
Gênero: Aventura, Ação e Ficção Científica
País de Origem: Estados Unidos
Sinopse: Em resumo, durante o reinado do Império Galáctico, o antigo Mestre Jedi Obi-Wan Kenobi embarca em uma missão crucial. Kenobi deve confrontar aliados que se tornaram inimigos e enfrentar a fúria do Império.

Uma Galáxia Muito Sombria

O contexto da série são os tempos sombrios de uma galáxia dominada pelo Império, sem qualquer influência dos jedi.

É nessa situação pelo qual encontramos Obi-Wan Kenobi, mestre jedi que se afastou da Força e vive conforme a correnteza: acorda, pega o “fretado”, trabalha, alimenta o seu “pet” e volta a dormir.

A única motivação de Obi-Wan é poder, algum dia, treinar Luke Skywalker, ainda que encontre obstáculos para isso, principalmente, na figura do Tio Owen (Joel Edgerton).

Ademais, isso me lembrou bastante a forma em que Rey encontra um desmotivado Luke Skywalker (Mark Hamill), no audacioso Os Último Jedi.

Ela também é importante…

Como toda história de Star Wars que se preze, a jornada do herói tem o seu chamado para a aventura com o sequestro da jovem Princesa Leia (numa sequência um tanto quanto duvidosa, por assim dizer).

Obi-wan

Aliás, algo muito bem pontuado pelo sábio Senador Organa: ambas as crianças Skywalker têm importância na história. Suas palavras somente revelam a notoriedade de Leia Organa na história de Star Wars.

E o que foi essa mini Leia, gente? Toda sagacidade, inteligência, liderança e teimosia da saudosa Carrie Fisher estavam na pequena Vivien Lyra Blair. Sua mini Princesa Leia continha todas as nuances da personagem, inclusive nos comentários irônicos.

A atriz Vivien Lyra Blair já havia entregado muito em Bird Box (2018), mas seu nível de atuação foi brilhante ao interpretar a nossa saudosa princesa.

Jornada da Reva

Em Obi-Wan Kenobi, além da jornada do herói homônimo, outro personagem que mereceu destaque foi Reva (muito mais que o próprio Grande Inquisidor, diga-se de passagem).

obi-wan

Tirando as suas habilidades de parkour, no qual não necessitamos comentar, Reva tinha uma obsessão doentia em encontrar Obi-Wan, cuja motivação de vingança tornou o seu arco de redenção bem digno da saga de Star Wars.

Moses Ingram conseguiu mostrar que mesmo Reva se tornando adulta e uma inquisidora, a personagem ainda nutria a ingenuidade, a agressividade e o medo da jovem youngling atacada por Darth Vader na aterrorizante Ordem 66.

Kenobi X Vader

Vamos ser realistas! Em nada, os inquisidores trouxeram à história. Na realidade, o que mais justificou toda a importância da série foram os confrontos de Obi-Wan e Darth Vader.

obi-wan

No decorrer dos poucos 6 episódios de Obi-Wan Kenobi, foram esses enfrentamentos que demonstraram a evolução e a motivação do mestre jedi e seu antigo aprendiz.

Na primeira luta, Obi-Wan Kenobi sentiu literalmente na pele todo o sentimento de vingança de Darth Vader ao melhor estilo, “olho por olho, dente por dente“.

Já na segunda luta, embora tenha sido apenas uma “guerra fria” movida a flashbacks, Kenobi usou da razão para salvar seus aliados do Caminho. Afinal, ele sabia que Anakin sempre se valeu da emoção e vaidade em suas lutas e nunca deu importância a estratagemas.

Por fim, a terceira luta foi o auge de toda a série. Nela vemos o melhor de Hayden Christensen e Ewan McGregor interpretando os icônicos Darth Vader e Obi-Wan Kenobi. Uma luta cheia de simbolismos, arrependimentos e esclarecimentos.

Aqui, Darth Vader demonstra todo o seu orgulho em dizer a Obi-Wan que ele nunca foi uma falha do seu mestre, mas que sua própria escolha o tornou assim, livrando Kenobi de sua culpa (e devo dizer, deixou o mestre jedi muito mais leve).

Perceba que um ótimo vilão é criado dessa forma. É só lembrar de suas palavras no Episódio II (Ataque dos Clones) para Padmé:

“Elas deveriam ser convencidas. Não sei. Por alguém. Alguém sábio – diz Anakin. Está me soando como uma ditadura – retruca Padmé. Bem… se é o que funciona – encerra o jovem jedi”.

Ou seja, para Darth Vader aquilo que ele fazia para o Império era o correto. Todos seus atos errados são justificáveis em prol do “bem maior”. E isso pode ser visto na série.

Direção e Roteiro: O que deu certo?

Diferentemente de The Mandalorian e The Book of Boba Fett, a série Obi-Wan Kenobi foi dirigida por somente uma pessoa, Deborah Chow. Isto é um ponto positivo, pois a história pode ser contada de uma forma linear sem que haja quaisquer furos de continuação.

Deborah teve seus pontos altos da série: como os contrastes entre os sabres vermelho e azul de Vader e Kenobi; a medida em que, ao destruir o capacete de Vader, vemos a luz azul se tornando vermelha, com a decisão final do carismático vilão; e as vozes intercaladas de Christensen com o icônico James Earl Jones.

obi-wan

Contudo, pontos negativos, também, se sobressaíram: como os cortes bruscos entre as cenas; imagens bastante escuras; e a falta de uma boa fotografia, tão predominante em Star Wars.

Veja bem! The Mandalorian, também, possui ambientes mais sombrios, mas nem por isso, ficamos com uma sensação de não conseguir enxergar nada, nas cenas apresentadas.

No que se refere ao roteiro, sinto dizer que ao meu ver, os novos roteiristas de Star Wars têm medo de ousar. Ao decorrer da temporada, o sentimento ao assistir a cada episódio era: “foi bom, mas faltou algo“.

Claro, que todo o enredo não deve ser jogado fora, afinal um dos melhores diálogos de Star Wars foi o final da luta de Vader e Kenobi no último episódio da série. No entanto, o receio dos roteiristas em sempre fincar na regra fechada da saga está deixando a desejar.

Talvez, a melhor ideia seja se distanciar da Família Skywalker e se aventurar no que mais o Universo Expandido de Star Wars tem a oferecer, como as ótimas histórias da Alta República, por exemplo.

Veredicto: Obi-Wan Kenobi

Obi-Wan Kenobi é uma história que todo o fã de Star Wars merece assistir, há pontos altos no enredo da série e que justificam todas as motivações de um velho Ben Kenobi na trilogia clássica.

Ao todo, é uma série que emociona e traz nostalgias pelas referências aos filmes de Star Wars. No entanto, se prende tanto à fórmula da saga, que isso acabou se tornando sua própria vilã, impedindo-a de ousar e trazer novos “Caminhos”, deixando o fã, mais uma vez, com aquele gostinho agridoce de querer muito mais.

E que venha a série Andor…

Menção Honrosa:

MH1: Qui-Gon Jinn (Liam Neeson), ao melhor estilo Pitty, em: “Eu estava aqui o tempo todo. Só você não viu”.

MH2: A incrível Indira Varma e sua Tala Durith.

MH2: A luta do Tio Owen (Joel Edgerton) e Tia Beru (Bonnie Piesse) em defesa do mini Luke Skywalker.

MH3: Todas as sequências da família Organa.

Quer saber mais sobre Star Wars? Então, clique aqui.


Conheça o nosso canal no YouTube!

Até mais, e que a Força esteja com vocês.