Estreou na Netflix, em 17/08, a série (Des)encanto, do mesmo criador de Os Simpsons e Futurama, Matthew Abram Groening. A primeira temporada tem 10 episódios com duração média de 30 minutos e já foi anunciado que a segunda temporada está garantida, mesmo antes da estreia.
Na realidade, se só víssemos as imagens dos personagens, perceberíamos imediatamente que é uma nova criação do Matthew por terem o mesmo tipo de traço.

 

(Des)encanto se passa possivelmente num período pré Simpsons, uma vez que acontece na era medieval. Uma das características desta série é o protagonismo por conta da princesa Bean, que possui comportamentos nada convencionais para a época.  A despeito de ter o título real, a princesa não segue regras impostas, bebe, se aventura e há sempre uma contestação de sua parte quanto ao que foi estabelecido como a vida que ela deveria seguir. É considerada uma verdadeira rebelde da época medieval.

 

Logo no início ela conhece dois personagens que a acompanharão ao longo de suas aventuras. Um é o Elfo, que está fugindo de uma vida perfeita em busca de sensações mundanas e o outro, um demônio pessoal.  A perspectiva da série se dá através de uma mulher não estereotipada e que faz as coisas como quer, tornando o enredo interessante. 

É possível ver questões como, por exemplo, a de se conviver em uma sociedade sendo diferente. Isso se dá tanto por parte da princesa não convencional quanto pela perspectiva de Elfo, que é um ser extremamente correto e puro dentro de uma sociedade pouco estruturada.

É uma série de humor ácido com a roupagem de aventura. Por não precisar se adequar aos minutos contados, com enredos de começo, meio e fim como acontece na televisão, é bem fácil se envolver com a história e os personagens. Os ganchos aos finais dos capítulos instigam o telespectador a continuar assistindo.

“É uma opção divertida de série, como se espera das produções do Matt Groening. É possível identificar entre as piadas, questionamentos sobre uma sociedade que, apesar de ser medieval, são bem atuais.”