ENTREVISTA | Matheus Lynar ( The kira Justice )

Hoje temos o prazer de fazer uma entrevista com Matheus Lynar. Matheus! Prazer ter essa oportunidade de fazer tal entrevista com você, muito obrigado, então, conte para nós um pouco da sua trajetória. Vamos lá!

Teoria Geek (TG): Como nasceu a The Kira Justice do modo que conhecemos hoje? (formação da banda, formato, repertório).


Matheus Lynar (ML): A The Kira Justice surgiu em 2007, como um quarteto. O modo que conhecemos hoje é uma dupla (Minha irmã e eu). A gente resolveu abraçar a tecnologia de vez, então temos shows digitais e interativos (a galera escolhe o que a gente vai cantar). E mesmo nos nossos shows presenciais, todo o repertório é definido por uma enquete votada no próprio local, pra que o show seja a cara das pessoas que estão assistindo!

TG: Como surgiu a escolha do nome para a banda?


ML: Em 2007, Death Note era o anime do momento. E o favorito de todos os integrantes, também. A gente tinha mais de uma opção de nome, mas todos envolviam o mesmo anime. No fim, votamos e ganhou The Kira Justice.

TG: Matheus, você canta músicas felizes, músicas tristes/dramáticas e algumas até motivadoras, por exemplo: As aberturas de Dragon Ballz; Unravel; e uma autoral de vocês:  “O meu mundo”. É difícil alternar entre tais sentimentos?


ML: Ser cantor é atuar. Atuar durante uma música não é fingir um sentimento, mas se entregar para a letra, pra música como um todo. Muita gente faz isso quando está ouvindo música, também. Quase todo artista faz.

TG: Se algum anime fosse ser dublado aqui no Brasil e pedissem para você e a banda gravar a opening brasileira dela ainda com a chance de escolher o tal anime, qual seria? Já teve tal oportunidade?


ML: Já fiz muito trabalho oficial pra várias mídias (inclusive jogo oficial de Naruto!), mas ainda não tive essa oportunidade com animes. Com certeza eu gostaria que fosse de Tokyo Ghoul, porque “Unravel” aqui no Brasil já virou sinônimo de The Kira Justice de tal forma que não tem como dissociar mais.

TG: Quais são os seus animes preferidos?


ML: Nessa ordem: Fullmetal Alchemist: Brotherhood, Steins;gate e Erased, nessa ordem.

TG: Tem algum que muitos possam gostar e lhe indicar e mesmo assim você não conseguiu criar uma empatia?


ML: Sword Art Online. Eu gostava no comecinho, mas com o tempo o plot vai ficando ruim, tanto pra um anime de aventura quanto romance quanto harém. Ele tenta ser de tudo um pouco e faz tudo mal.

TG: Você joga vídeo game? Tem jogado algum jogo atualmente?


ML: Eu joguei Witcher 3 e sou viciado em League of Legends. Contando os dias para o lançamento de Final Fantasy 7 Remake.

TG: O que o Matheus gosta de fazer na hora de lazer, quando não está em turnê ou em compromissos profissionais?


ML: Justamente jogar games.

TG: Você possui alguma animesong favorita ou que foi marcante de alguma forma?


ML: Bom, tem a “Unravel” que como eu falei marcou a história da TKJ. Eu também gosto muito de “Alones”, de  Bleach e “Guren no Yumiya”, de Shingeki no Kyojin.

TG: Qual a sensação de viajar o Brasil inteiro para shows?


ML: Como turista a gente não aproveita nada, mas é maravilhoso conhecer os fãs de todo lugar, poder abraçar, tirar foto, olhar no olho. E a gente faz algumas amizades virtuais também, que por causa das viagens pra show acabam virando amizades “reais”.

TG: Esperavam todo esse sucesso no começo do projeto?


ML: Não, a gente literalmente tinha como sonho “poder tocar nos eventos aqui de Porto Alegre”, porque era isso que faziam as “bandas de anime de sucesso” quando a gente começou.

TG: Quais os planos para o futuro?


ML: É difícil falar em show em meio a uma grande epidemia, então isso tá em pausa. No momento estamos focando nos nossos shows digitais e todo o universo em volta das nossas lives.

TG: Agora nosso modo turbo, faço perguntas e você responde de forma mais rápida


TG: Um anime?
ML: FMA:B
TG: Um personagem?
ML: Edward Elric, FMA:B
TG: Uma música?
ML: “Sail”, Awolnation.
TG: Um desejo?
ML: Ter músicas autorais tão reconhecidas quanto os meus covers mais populares.
TG: O que não faria por nada?
ML: Trocar a música por uma “carreira mais lucrativa” enquanto puder me sustentar com ela.

TG: Matheus! mais uma vez muito obrigado, em nome de toda a equipe do Teoria Geek um muito obrigado! Deixe uma mensagem por gentileza para os nossos leitores.


ML: Obrigado por lerem até aqui, espero que tenham descoberto algo legal. Não deixem de acompanhar o canal da The Kira Justice  e participar das nossas lives! Abraços a todos

Acompanhe o Matheus Lynar nas Redes Sociais:

Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *