Após tanto se preparar, Leandro Chagas chega na reta final da produção de “Diáspora”, seu livro de estreia no mercado editorial.

Desde pequeno, o artista fora proibido de consumir histórias de fantasia e agora adulto, se prepara para compartilhar para o mundo o seu próprio universo literário.

Em entrevista com o Teoria Geek, ele contou um pouco sobre o que podemos esperar do livro.

Vamos lá!?

TG: Quem é Leandro Chagas?

Entrevista | Leandro Chagas

Leandro Chagas: Essa é uma pergunta simples. Leandro, vulgo eu, é um cara simples. Trabalho o dia todo, tento ser uma boa companhia e empurrar os problemas com a barriga torcendo pra não morrer! Não vou contar os podres por enquanto, então ficamos no cara sensato e equilibrado.

O que esperar de Diáspora:

TG: Conte um pouco sobre a história de “Diáspora”.
Leandro Chagas: Diáspora é a somatória do meu mundo, um pouco do que quero trazer à realidade. Lógico que ninguém vai sair soltando bolas de fogo pela mão (o que não é legal, né? Imagina ter que andar com um extintor na cintura!). Quero apenas compartilhar um universo que construí ao longo de 10 anos em minha mente.

Diáspora inicia a história de um mundo paralelo, Izyncor. Nele, a magia é uma realidade, e move a vida das pessoas (não só move, também termina algumas – bom treinar bastante se quiser ser um mago). Contudo, é um mundo ainda jovem, e seu desenvolvimento está equiparado à nossa era medieval com poucos ajustes.

Nesse mundo, começamos a acompanhar a história de Trizno, um aprendiz de mago que foi acusado de matar seus mestres e roubar as maiores relíquias do reino. Contudo, Trizno não lembra bem o que aconteceu, e por não saber se é verdade o que dizem, prefere acreditar. Afinal, seus mestres estão mortos, e ele está com as relíquias.

Porém, ele tem um sentimento que não deve entregar as relíquias ao reino, sendo assim, monta um grupo e resolve se opor à monarquia com todas as suas forças.

Inspirações para o dom da escrita:

TG: Sabemos que desde a sua adolescência você teve contato com livros, em que momento você descobriu seu dom da escrita e quem foi sua maior inspiração?
Leandro Chagas: Meu contato com livros era um desafio. Apoio incondicional da minha mãe, mas meu pai, muito religioso na época, era bem intolerante. Quando tinha nove anos, peguei na biblioteca da escola o livro Senhor dos Anéis.

Meu pai, assim que me viu com o livro, foi conferir o que eu estava lendo. Viu as frases iniciais sobre os anéis distribuídos, depois disse: “Esse livro não fica dentro da minha casa. Se amanhã ainda estiver por aqui, eu queimo ele!” Então deixou o livro no quintal, fora de casa. No dia seguinte, tratei logo de entregá-lo na escola.

A partir desse dia, passei meus intervalos (recreios) lendo na biblioteca, lá ninguém me diria algo semelhante e não precisaria temer irritar meu pai.

Entrevista | Leandro Chagas

Sobre a escrita, comecei aos 14 anos. Nunca achei ter “o dom” pra escrever, menor ainda era minha intenção em publicar. Só queria fazer uma história envolvendo eu, meus irmãos e alguns amigos.

Inspirei os personagens em nós e nosso tempo jogando MMORPG’s (meu pai odiava o jogo, mas isso me mantinha em casa, sem aprontar, então ele deixava).

Mas não sei dizer sobre inspiração. O conjunto de experiências ao longo do caminho me despertavam a curiosidade e a imaginação. Assim, montei um mundo imaginário que aos poucos passo para o papel.

Claro que Tolkien, Lewis, Shakespeare, Dan Brown, S. King, Disney, Irmãos Grimm e outros calhamaços lidos ao longo do caminho têm sua parcela de culpa por quem sou hoje, mas não sei qual teria o título de “Fonte Inspiradora”.

A importância do incentivo: 

TG: Como foi o seu processo de construção do universo do livro?
Leandro Chagas: Originalmente, escrevi “O conto das armas eternais” era algo simples, de 3 folhas apenas, e muito mal escrito por sinal (peço um desconto, afinal eu tinha 14 anos).

Contudo, para minha surpresa, meus amigos adoraram e me deram aquele empurrão que todo mundo precisa: incentivo!

Desde então, mergulhei no mundo que havia criado para entender mais sobre suas regras e funcionamento. É como um filho, você dá a vida, ensina os primeiros passos, mas aos poucos ele se torna um ser pensante e com regras próprias, nem tudo cabe a você decidir.

Expectativas para o lançamento: 

TG: Qual é a sua expectativa para o lançamento da sua obra de estreia? O que os leitores podem aguardar de “Diáspora”?
Leandro Chagas: Eu tenho medo, acima de tudo, medo de que as coisas deem errado. Não me sinto um gênio escritor que fará o próximo Senhor dos Anéis. A ansiedade me faz sentir que os leitores vão me odiar e aparecer em frente minha casa com tochas, facões, foices, machados e outras ferramentas, tipo caça às bruxas.

Inclusive, uma atitude dessa é esperada do povo de Diáspora. Assim, o leitor pode ter certeza que é uma alta fantasia repleta de magia, batalhas, desentendimentos, dor, superação, mistério, mortes e corpos caídos.

TG: Sem os eventos presenciais, como você tem se inovado para manter contato com os futuros leitores? Além disso, você pretende organizar um evento de lançamento para o livro pós-pandemia?
Leandro Chagas: Tenho investido mais tempo no meu Instagram, @lleandro_chagas.

Também tenho um site para publicação sobre a obra sagadiaspora.com. Contudo, nunca tive muito contato com público, então tá sendo um desafio a se enfrentar!

Além disso, timidez e insegurança andam de mãos dadas comigo (rsrs) o que não facilita as coisas. Sobre uma pós-pandemia, todos temos muitos planos, mas vamos aos poucos, uma coisa de cada vez. Tento não deixar a ansiedade me sufocar com tantas coisas em mente.

5 livros estão por vir:

TG: “Diáspora” é um livro único ou podemos aguardar projetos futuros envolvendo a história?
Leandro Chagas: Pra mim, Diáspora é um livro “único” por assim dizer. Mas não é uma história contada em apenas um livro.

Tenho, atualmente, 5 livros escritos para a obra (quatro deles estão apenas em suas primeiras versões), então podemos esperar futuros projetos sim!

Contudo, Diáspora passou por mais de 20 mudanças de estrutura e reescritas até ficar do jeito que eu queria… os outros não estão livres desse destino… Posso atrasar kkk

Sinopse de Diáspora:

O aprendiz Trizno é procurado pelo assassinato dos seus mestres: três dentre os mais poderosos magos existentes no mundo. Como se não bastasse, roubou armas lendárias e reuniu um grupo para se opor ao reino e impedi-lo de recuperar suas relíquias. O rei, frustrado por anos falhando em capturar esses criminosos, ordena uma investida impiedosa para subjugar o assassino e ladrão. Contudo, mesmo encurralado por centenas de soldados e magos, ninguém imaginava que Trizno poderia escapar usando uma magia quase esquecida e a mais antiga do seu mundo, a Diáspora.

Sobre o autor:

Leandro Pontes Chagas se graduou em Fisioterapia pela Universidade Federal de Alfenas, onde produziu trabalhos científicos para eventos nacionais e internacionais. Criou Contos de Izyncor para seus irmãos e amigos, resultando na saga iniciada por Diáspora. Músico, ele mora em Mariana-MG, onde cuida para que Apollo (seu cachorro) não devore os dois gatos, atende como fisioterapeuta e é colunista para um jornal regional. Adora ganhar prestígio, o chocolate, mas não nega a admiração.

Instagram do autor: @lleandro_chagas

Site do Livro Diáspora (Notícias): AQUI

Gostou da entrevista? Então, confira mais AQUI!

Até mais, e Obrigado pelos Peixes!