Conheça o incrível documentário “Conversando com um serial killer: Ted Bundy”, um dos maiores assassinos em série que os EUA já teve notícia.

Como funciona a mente de um assassino? Por que eles matam e não sentem nenhum remorso? O que leva esse tipo de criminoso a cometer atos tão insanos? Se você já teve interesse nesse tipo de assunto, adora filmes de terror e gostaria de saber mais um pouco sobre o tema, o Teoria Geek traz pra você uma análise sobre o documentário “Conversando com um serial killer: Ted Bundy”, documentário exclusivo e original da Netflix.

Resultado de imagem para Conversando com um serial killer

Ficha técnica

Título: Conversations With A Killer: The Ted Bundy Tapes (Original)
Ano produção: 2019
Dirigido por: Joe Berlinger
Estreia: 24 de Janeiro de 2019 ( Brasil )
Duração: 235 minutos
Classificação: 14 – Não recomendado para menores de 14 anos
Gênero: Documentário Drama Mistério
Países de Origem: Estados Unidos da América

Sinopse

Entrevistas atuais, material de arquivo e gravações de áudio feitas no corredor da morte traçam o perfil do notório serial killer Ted Bundy.

Sobre Ted Bundy

Resultado de imagem para Ted Bundy

Theodore Robert Cowell, mais conhecido pela alcunha de “Ted Bundy”, nascido em Burlington, 24 de novembro de 1946 e condenado à morte em Starke, Condado de Bradford, no dia 24 de janeiro de 1989, foi um dos mais temíveis assassinos em série da história dos Estados Unidos da América durante a década de 1970.

Era um homem charmoso, comunicativo, de palavras convincentes, que lhe ajudariam a seduzir e eliminar mulheres em uma matança desenfreada. Estudante de direito, conseguiu convencer a todos, inicialmente, de sua inocência, ao se defender no tribunal e conduzir seu processo. Jovem considerado brilhante nos estudos e detentor de uma carreira prodigiosa, também demonstrava interesse por política e história. Chocou a todos quando foi provado seus homicídios, demonstrando ser um homem extremamente perverso e sádico, tendo matado e estuprado mais de 35 mulheres.

Bundy no documentário

Ted defendeu-se em julgamentos em Utah, Colorado e Flórida enquanto a polícia tentava reunir um rastro de meninas mortas que conduzissem a ele. Durante seus vários julgamentos, um Ted Bundy muito seguro de si se defendeu, recebendo elogios e uma legião de admiradoras. Depois de várias apelações Bundy foi eletrocutado pelo estado da Flórida em 1989. Para sua última refeição ele pediu bife, ovos, pão e café, mas a recusou porque não estava com fome.

Apesar de ter sido executado há cerca de 30 anos, Bundy, que foi condenado a pena de morte, é o narrador da produção. A série documental apresenta uma entrevista feita pelo jornalista Stephen Michaud quando o suspeito ainda estava na cadeia. A grande promessa do seriado é apresentar os crimes pelo ponto de vista do próprio assassino, em uma espécie de autocatarse que o homicida tem ao “analisar” os fatos.

Este documentário contem os relatos de um dos maiores assassinos da história. Neste documentário Netflix, acompanhamos as palavras do serial killer Ted Bundy sobre seus próprios crimes, seu ponto de vista e perspectiva sobre os mesmos. Sob a direção de Joe Berlinger (vencedor do Emmy) acompanhamos palavras reais de um  criminoso que chegou a desafiar os estereótipos de serial killer e conquistar um tipo de adoração perturbadora de muitas mulheres.

A semelhança das vítimas

A maioria das vítimas conhecidas de Bundy eram mulheres jovens, mas as semelhanças vão além disso. Stephanie Brooks foi uma namorada que ele conheceu na universidade. Ela veio de uma família rica e, eventualmente, terminou com Bundy devido à falta de futuro juntos.

foto

O serviço de streaming, inclusive, teve que se pronunciar sobre o fato.

“Eu tenho visto muito do que se fala sobre a beleza do Ted Bundy e eu gostaria de gentilmente lembrar que existem literalmente centenas de homens gostosos no nosso serviço — e quase todos eles não são condenados por assassinatos em série”, tuitou a página oficial da Netflix.

Um dos pontos positivos de Conversando com um serial killer: Ted Bundy é a apresentação consistente do assassino. É fácil perceber o quanto a pesquisa histórica foi bem feita e solidamente estruturada. Com bastante detalhes, a produção ultrapassa o clássico “lugar onde nasceu e forma de criação” — típicas deste tipo de produção — e chega até as atividades políticas de Bundy, assim como falhas na investigação, que geraram mais vítimas do assassino. Outro aspecto a favor da produção é a capacidade de edição ágil e satisfatória.

A dissociação é arrepiante – às vezes a voz de Bundy soa como a de duas pessoas diferentes, mas ele faz uma admissão crucial no início de Conversando com um Serial Killer: Ted Bundy. Ao discutir seus anos do ensino médio e por que ele não namorou, o serial killer explica que não era porque ele era tímido ou não entendia as mulheres; ele simplesmente não sabia “o que fazer com elas”.

Esta série conta praticamente  quase que a vida inteira de Ted Bundy, até ele “se tornar” um assassino em série. Com uma linha de tempo que organiza, digamos assim, os crimes cometidos, os quais foram realizados em várias cidades dos Estados Unidos, junto à simulações e ilustrações da conversa em que Ted Bundy fala sobre si e relata detalhes de todos os seus crimes.

Será que existe uma solução para este tipo de criminoso? Como deter pessoas tão perigosas? Se você está procurando o definitivo “Por que?” em relação a Bundy aqui, talvez você ficará desapontado. Mas, como muitos outros documentários sobre crimes reais têm ilustrado, muitas vezes não há um final definitivo. Debruçar-se sobre a análise comportamental do ser humano é uma atividade complexa que envolve polícia, psicólogos, médicos psiquiatras e vários outros tipos de profissionais da mídia criminal especializada.

Por fim, “Conversando com um serial killer: Ted Bundy” é ao mesmo tempo bizarro e interessante, incomodando o telespectador pela frieza do protagonista e pela interação com o próprio assassino ao envolver sua história sendo contada por ele mesmo. Tema difícil de abordar, porém ótimo material.

Detalhe: o ator Zac Efron interpretará Ted Bundy no filme “Extremely Wicked, Shockingly Evil, and Vile,” em 2019, filme também a ser produzido e exibido pela Netflix. Resultado de imagem para Ted Bundy

Minha nota final para este documentário é:

Confira o trailer deste documentário original Netflix.

//www.youtube.com/watch?v=YbkB9hjJviI

 

Fonte de pesquisa para esta resenha:

//www.imdb.com/title/tt9425132/

//www.ahoradomedo.com.br/conheca-historia-de-ted-bundy-um-dos-mais-famosos-serial-killers-dos-eua/