A novela do “Snyder Cut”, versão do diretor Zack Snyder para “Liga da Justiça” (2017), continua mais de um ano depois do lançamento do filme.

A Rolling Stone revelou um relatório, que teria sido encomendado pela WarnerMedia, com diversas acusações contra Snyder e a legião de fãs que fizeram campanha para o lançamento da nova versão.

O diretor é acusado de se recusar a devolver discos rígidos do estúdio com gravações para fazer seu corte alternativo, solicitando milhões em custos de produção depois de filmar novas cenas não autorizadas em seu quintal e ameaçando excluir as filmagens existentes se ele não tivesse permissão para manter um personagem que não estava no roteiro original.

No entanto, a maior parte do relatório de 18 de julho realmente se concentra em alegações relacionadas às mídias sociais. O relatório teria sido encomendado pela WarnerMedia após uma postagem no Instagram do usuário @daniras_ilust que mostrava as cabeças decapitadas de Geoff Johns (produtor da Liga da Justiça), Walter Hamada (presidente da DC Films) e Toby Emmerich (ex-presidente do Warner Bros. Pictures Group). Esses três homens foram considerados como inimigos de Zack Snyder pelos fãs do filme e a imagem foi rapidamente compartilhada online.

As investigações teriam descoberto que 13% das contas envolvidas na campanha online eram falsas. Para referência, especialistas cibernéticos disseram ao site que os números típicos de contas falsas engajadas em um trending topic variam de 3 a 5%.

A Rolling Stone informou que acessou o relatório principal, de abril de 2021, que inclui a seguinte conclusão: “Depois de pesquisar conversas online sobre o Snyder Cut do lançamento da ‘Liga da Justiça’, especificamente as hashtags ‘ReleaseTheSnyderCut’ e ‘RestoreTheSnyderVerse’ no Facebook, Twitter e Instagram, [os analistas] detectaram um aumento na atividade negativa criada por autores reais e falsos. Além disso, três líderes principais foram identificados entre os autores verificados no Twitter, Facebook e Instagram – um líder em cada plataforma. Esses líderes receberam a maior quantidade de engajamento e têm muitos seguidores, o que lhes dá a capacidade de influenciar a opinião pública.”

A Rolling Stone também realizou sua própria pesquisa, conversando com três empresas de segurança cibernética e inteligência de mídia social. Entre eles estava a Q5id, cuja diretora de informações e diretora de tecnologia, Becky Wanta, disse que a análise mostra que “não há dúvida de que os bots estavam envolvidos”.

Vários membros não identificados envolvidos na versão original e cortada da Liga da Justiça acusaram Snyder de ajudar a manipular o movimento de mídia social pedindo o lançamento de seu Snyder Cut. Supostamente, Snyder tem experiência com engajamento inorgânico de fãs, com uma fonte acusando o diretor de contratar uma empresa de marketing digital para neutralizar a recepção crítica de seu filme de 2016, “Batman v Superman”. Snyder negou qualquer manipulação.

O diretor rejeitou anteriormente as alegações de que sua base de fãs é tóxica. No entanto, de acordo com a Rolling Stone, até mesmo outros filmes foram afetados pelas campanhas do Snyder Cut: o diretor Adam Wingard supostamente pediu a Snyder, por meio de um intermediário, dizer aos apoiadores do Snyderverse que parassem de boicotar seu filme “Godzilla vs. Kong”, que teria irritado alguns fãs por ter sido lançado na HBO Max logo após o corte de Snyder.

Clique aqui para ler mais notícias!


Conheça nosso canal no YouTube!